O que é bioengenharia?
bioengenharia
foto: iStock, Getty Images.
Inovação > Saúde

O que é bioengenharia?

Emily Canto Nunes em 20 de maio de 2016

Bioengenharia é uma área em que os conhecimentos da engenharia são aplicados à questões das ciências biológicas e da saúde. A seguir, contamos sua história, damos exemplos e até dicas de onde estudar esse curioso campo para o conhecimento humano.

O que é a bioengenharia?

Até hoje se ouve falar que para salvar a vida de alguém só mesmo sendo médico, no máximo, formado em enfermagem. Mas a tecnologia tem feito surgir novas profissões relacionadas à saúde, assim como em outros campos de conhecimento e atuação. É o caso da Bioengenharia, que consiste na aplicação de conceitos e métodos da engenharia na resolução de problemas relacionados à biologia e, por consequência, à saúde.

Qual é a história da bioengenharia?

O termo bioengenharia foi cunhado pelo cientista britânico Heinz Wolff, em 1954, mas a ideia de usar conceitos e conhecimentos da engenharia para melhorar a saúde humana data de séculos atrás. Um dos primeiros exemplos é uma prótese de dedo feita de madeira e couro encontrada em uma múmia de mais de 3 mil anos de idade.

O campo evoluiu de mãos dadas com a tecnologia. Os trabalhos de Alexander Graham Bell e Thomas Edison sobre transmissão e amplificação do som no final do século 19 e 20 ajudaram a criar os primeiros aparelhos que melhoram a audição, por exemplo.

Alguns nomes importantes para a história da bioengenharia foram Forrest Bird, John Charnley, Rene Laennec, Wilheim Roentgen e Robert Jarvik. Mas foi só na década de 70 que o campo moderno da bioengenharia ganhou popularidade.

Quais são as aplicações da bioengenharia?

Enquanto engenharia, ainda que ligada às ciências biológicas, a bioengenharia exige dos seus profissionais conhecimentos da área de exatas. Logo, matemática, física e química são inevitáveis. Conforme a graduação vai evoluindo, os cursos, que ainda não são numerosos no Brasil, trazem matérias mais específicas: eletroterapia, laser diagnóstico, eletrofisiologia, fototerapia, gestão de sistemas clínicos, química aplicada à bioengenharia e por aí vai.

Por vezes chamada também de engenharia biomédica, a Bioengenharia é, na verdade, mais ampla. Pois enquanto engenheiros biomédicos são voltados especificamente para o desenvolvimento de inovações médicas, os engenheiros biológicos estão focados na aplicação de princípios de engenharia à biologia, o que não necessariamente envolve a área da medicina. No Brasil, a atuação do bioengenheiro se dá, em geral, em hospitais, mas há também vagas em laboratórios de análises clínicas e nas mais diferentes indústrias.

Bioengenharia no hospital

bioengenharia ajuda no dia dia dos hospitais

foto: iStock, Getty Images.

No hospital, o bioengenheiro projeta e mantém funcionando equipamentos e instrumentos que substituem ou complementam, de forma temporária ou permanentemente, a função de um órgão, por exemplo. As próteses utilizadas por seres humanos, além de respiradores, monitores diversos e equipamentos de hemodiálise são produtos que resultam do trabalho de bioengenheiros.

Na indústria

Fora dos hospitais, os bioengenheiros respondem pelo desenvolvimento de equipamentos para exames e diagnósticos por imagem como ressonância magnética nuclear, raios-X para uso clínico, tomografia computadorizada, mamógrafos, ultrassonografia, endoscópio, entre vários outros. A bioengenharia também estuda e desenvolve instrumentos essenciais à manutenção da vida como hemodiálise, bombas de infusão, bombas de sangue, pulmões artificiais, desfibriladores, incubadoras neonatais, etc.

Nos hospitais, também encontramos equipamentos desenvolvidos por bioengenheiros: bisturis convencionais e eletrônicos, catéteres, bombas de vácuo, coaguladores eletrônicos, desfibriladores, marca passos, autoclaves e etc. Também faz parte da bioengenharia a instrumentação necessária à observação, diagnóstico e análises clínicas como microscópios óticos, laparoscópios, endoscópios, cardiógrafos, entre vários outros.

Na pesquisa

bioengenharia ajuda os astronautas a respirar

Foto: iStock, Getty Images.

Além da área hospitalar, a bioengenharia também é um vasto campo para pesquisa, seja ela acadêmica ou privada. Ela impulsiona tanto a criação de equipamentos quanto de metodologias. Novas tecnologias também surgem do campo acadêmico para serem utilizadas em missões submarinas e espaciais, instrumentos para monitorar funções biológicas variadas, como circulação e respiração dos astronautas, por exemplo.

A genética também é uma área de atuação para quem trabalha com bioengenharia. Embora não façam a manipulação genética e nem exames clínicos, os bioengenheiros podem criar instrumentos para os cientistas. Como uma área ampla, a bioengenharia pode incluir elementos de engenharia elétrica e mecânica, informática, materiais e química, e não apenas a biologia.

Onde estudar a bioengenharia?

Como é um campo relativamente novo da ciência, há algumas dúvidas que permeiam a bioengenharia. Como já citado acima, o campo é bem abrangente e amplo, mas a principal função que vem à tona quando o assunto é bioengenharia é o engenheiro biomédico — o profissional que atua na produção e manutenção de equipamentos médicos e laboratoriais, como raio-x e ressonância magnética. O campo normalmente é confundido com a biotecnologia, que é a ciência de manipulação de células e melhoramento genético, podendo atuar nas áreas de saúde, química, cosmética, alimentar e etc.

Segundo o Guia do Estudante, o mercado de trabalho para o campo está aquecido pelo uso crescente de avançados aparelhos no diagnóstico de doenças. “Os fabricantes desses equipamentos, entre eles GE, Siemens e Philips, contratam o bacharel para elaborar projetos e operar ou fazer a manutenção de máquinas como aparelhos de ultrassom, de mamografia e ressonância magnética. Há boa procura por especialistas capaz de projetar e desenvolver próteses e órteses”.

Há dezenas de universidades que oferecem os cursos, que tem duração média de 5 anos. Ainda segundo o Guia do Estudante, os melhores cursos do país no campo são na UFU (MG), Univap (SP), Inatel (MG), UFPE (PE) e PUC (SP).

Gostou deste post? Que tal compartilhar:
Últimos
Trend Tags
Array ( [0] => 237 [1] => 205 [2] => 76 [3] => 222 [4] => 157 [5] => 12 [6] => 249 [7] => 94 [8] => 97 [9] => 267 [10] => 68 [11] => 115 [12] => 17 [13] => 173 [14] => 175 [15] => 238 [16] => 62 [17] => 92 [18] => 276 [19] => 236 [20] => 25 [21] => 153 [22] => 125 [23] => 16 [24] => 66 )
Vídeos
Copyright © 2016 Free the Essence