Airbus quer testar protótipo de carro voador até o final de 2017
carro voador
Foto: Divulgaçãp
Inovação > Tecnologia

Airbus quer testar protótipo de carro voador até o final de 2017

Camila Luz em 17 de janeiro de 2017

A Airbus pretende testar um protótipo de carro voador até o final de 2017. A companhia prevê que 60% da população estará vivendo em cidades até 2030 e que, por isso, o congestionamento urbano se tornará um problema urgente.

Hoje, a Airbus é a segunda maior empresa de aviação do mundo, ficando atrás apenas da Boeing. Ela está desenvolvendo três soluções para o congestionamento e, segundo o site Digital Trends, todas apontam para os céus: drones para entrega de produtos, ônibus autônomos e um veículo para transporte de apenas um passageiro.

Tom Enders, CEO da Airbus, falou sobre as pretensões da empresa na DLD Conference. “Há cem anos, o transporte urbano foi para baixo da terra. Agora, temos tecnologia para ir acima do solo”, disse, segundo a Reuters. “Estamos em fase de experimentação, levamos este desenvolvimento muito a sério. Com o voo, não é preciso gastar bilhões em pontes e estradas concretas”, completou.

Enders reiterou a experiência da empresa com helicópteros comerciais e falou sobre a importância de aproveitar as novas tecnologias, como a inteligência artificial. “Se ignorarmos esses desenvolvimentos, ficaremos de fora de segmentos importantes do negócio”, afirmou.

Vahana, o carro voador

Vahana é o nome do protótipo de carro voador que deve ser testado pela Airbus até o final do ano. Ele comporta apenas um passageiro e é autônomo. Segundo o CEO da divisão responsável pela sua fabricação, Rodyn Liasoff, o plano é ambicioso, mas totalmente plausível.

O carro voador estaria inserido em um sistema de transporte compartilhado, e seria solicitado pelo usuário por meio de um aplicativo, assim como o Uber. Para Liasoff, poderia cobrir uma demanda de milhões de veículos. “Em pelo menos 10 anos, nós poderíamos ter produtos no mercado que revolucionariam o transporte urbano para milhões de pessoas”, afirmou.

Vahana, carro voador

Vahana Foto: Divulgação

Lyasoff explica que muitas das tecnologias necessárias, como baterias, motores e sistemas de bordos já foram desenvolvidas. No entanto, ainda é preciso aprimorar um sistema de detecção de obstáculos. Esse desafio também pertence aos carros autônomos com potencial para trafegar em terra.

O sonho do carro voador

O sonho do carro voador não é recente. Em 1947, um estudioso do conceito desenvolveu o ConVaircar, um protótipo que mais parecia uma carcaça de avião com um carro acoplado.

LEIA MAIS
Uber libera carros autônomos para usuários em teste nos EUA
LEIA MAIS
O papel dos drones no futuro da economia compartilhada

Hoje, há várias empresas perseguindo o sonho além da Airbus. A Terrafugia, por exemplo, é uma companhia destinada a construir veículos privados voadores. Alguns protótipos já chegaram a voar pelos céus dos Estados Unidos, durante um show aéreo em Oshkosh, Wisconsin.

A FAA, empresa que regula o espaço aéreo nos Estados Unidos, liberou os testes com o TF-X, carro voador da Terrafugia para quatro pessoas que pode chegar a 320km/h. A ideia é que o veículo chegue ao público geral em até 12 anos, custando o equivalente a um carro de luxo.

A Lilium Aviation é outra empresa engajada na ideia de tornar carros voadores meios de transporte viáveis. Foi fundada em 2015 por quatros engenheiros alemães, que têm o objetivo de produzir um avião para uso diário, que decola e pousa verticalmente e não precisa de uma infraestrutura de aeroporto.

No entanto, o conceito diz que serão necessários 225 m² para pousar e decolar. O veículo chegará a 3km de altura e será elétrico, podendo ser recarregado em uma noite.

Engenheiros japoneses também pretendem tornar o sonho realidade mais rápido. Até 2020, o Skydrive poderá estar pronto e disponível para testes. Ele tem aparência de drone e é o menor carro autônomo já idealizado. Veja:

Os carros voadores podem ser realidade dentro de alguns anos, mas ainda há muitos obstáculos a serem transpostos antes disso. A regulamentação é uma delas. Países ainda não esclareceram leis específicas para drones de entrega, por exemplo. Até mesmo o Uber e outros serviços similares da economia compartilhada ainda são polêmicos em certos locais. Veículos que transportam passageiros pelos céus provavelmente irão enfrentar desafios ainda maiores.

Gostou deste post? Que tal compartilhar:
ESCOLHA DO EDITOR
Últimos
Trend Tags
Array ( [0] => 205 [1] => 76 [2] => 12 [3] => 237 [4] => 97 [5] => 249 [6] => 222 [7] => 62 [8] => 157 [9] => 276 [10] => 259 [11] => 86 [12] => 267 [13] => 94 [14] => 68 [15] => 16 [16] => 167 [17] => 115 [18] => 186 [19] => 17 [20] => 102 [21] => 173 [22] => 238 [23] => 175 [24] => 92 )
Vídeos
Copyright © 2016 Free the Essence