Primeira corrida de drones de São Paulo ocorre na Galeria do Rock
corrida de drones
Foto: Istock/Getty Images
Inovação > Tecnologia

Primeira corrida de drones de São Paulo ocorre na Galeria do Rock

Pedro Katchborian em 4 de novembro de 2016

Famosa por abrigar diferentes tribos e pelas suas mais de 400 lojas em vários andares, a Galeria do Rock vai ser palco de uma atividade bem diferente no próximo domingo: a primeira corrida de drones de São Paulo. O evento acontece no dia 6 de novembro, das 17h às 21h. A corrida está sendo organizada pelo Mirante Lab, uma startup que tem como foco os drones e o desenvolvimento de brinquedos.

Enquanto em terras estrangeiras a corrida de drones já é uma realidade, com transmissão pela TV e sendo considerada a nova Fórmula 1, o Brasil ainda carece de eventos, pilotos e tecnologia disponível para a realização do eventos. Por isso, a corrida em São Paulo procura democratizar e popularizar essa inovação.

A expectativa é reunir os mais diferentes tipos: dos frequentadores da Galeria do Rock — o espaço recebe cerca de 20 mil visitantes todos os dias — até amantes de velocidade e entusiastas da tecnologia e dos drones.

Até agora, cerca de seis pilotos confirmaram presença no evento. Eles devem se dividir em três baterias, com dois pilotos em cada. Os drones devem circular por um andar inteiro da galeria, indo e voltando por duas vezes, totalizando quase 1 km de percurso. Depois dos tempos aferidos, os vencedores das baterias se enfrentam em uma grande final. A corrida irá reunir pilotos profissionais e amadores.

Um dos principais destaques do evento é o cenário. Inspirado nas principais corridas do mundo, ele terá um visual futurista, com cenografia de Cristina Souto e Silvia Tape. Veja abaixo o exemplo de uma corrida de drones com cenário futurista:

O evento tentou reunir dinheiro pelo Catarse, mas não teve êxito. Os ingressos para o evento estão sendo vendidos aqui: cada um custa R$35, com pilotos também podendo se inscrever pelo valor de R$150. Há também um ingresso especial, vendido por R$250 que acompanha um drone de brinquedo.

Sobre a corrida de drones

A corrida de drones é muito recente: o hobby teve início na Austrália e nos Estados Unidos no final de 2014. Na época, alguns entusiastas se reuniam em prédios abandonados para se divertir com drones adaptados para atingir uma velocidade maior.

Desde então, foram criadas federações nacionais e internacionais, além de dezenas de corridas. Foi em 2015 que ocorreu o World Drone Prix, em Dubai, maior corrida realizada até hoje e que distribuiu mais de US$ 1 milhão no total. Atualmente, a maioria das corridas é feita a céu aberto, diferente da que será realizada em São Paulo: florestas, prédios e até em cima de mar ou lagos.

A tecnologia desses drones é específica para passar dos 100 km/h, com a maioria deles sendo montado pelos próprios pilotos. A corrida é realizada em FPV (first person view), em que os racers — como são chamados os praticantes — usam óculos que mostram ao vivo o que o drone “vê”, permitindo controlá-lo com mais facilidade.

Dinheiro, velocidade e inovação chamaram a atenção da TV, que recentemente tem apostado na prática. Em agosto de 2016, a ESPN transmitiu o campeonato nacional dos Estados Unidos, que reuniu mais de 100 pilotos na cidade de Nova Iorque.

A britânica SKY também investiu no novo esporte: pagou US$ 1 milhão para ter o direito de transmissão do campeonato nacional do Reino Unido. Aliás, o campeonato britânico exporta os seus eventos, o que pode ser bom do ponto de vista midiático. Para Jamie Condliffe, da MIT Technology Review, “a corrida está se tornando um tour, como uma pequena versão da Fórmula 1”.

Gostou deste post? Que tal compartilhar:
Últimos
Trend Tags
Array ( [0] => 76 [1] => 222 [2] => 237 [3] => 115 [4] => 17 [5] => 238 [6] => 92 [7] => 125 [8] => 173 [9] => 16 [10] => 276 [11] => 25 [12] => 66 [13] => 67 [14] => 157 [15] => 62 [16] => 153 [17] => 127 [18] => 12 [19] => 19 [20] => 187 [21] => 69 [22] => 154 [23] => 175 )
Vídeos
Copyright © 2016 Free the Essence