Nama desenvolve inteligência artificial para automatizar atendimento
inteligência artificial
Foto: Istock/Getty Images
Inovação > Tecnologia

Brasileira, Nama desenvolve inteligência artificial para automatizar atendimento

Kaluan Bernardo em 30 de outubro de 2016

No filme “Her”, o protagonista contrata uma assistente pessoal com inteligência artificial tão avançada que acaba se apaixonando por ela. Esse futuro não deve estar tão distante assim se considerarmos o crescimento dos robôs de conversação, mais conhecidos como chatbots.

conversa de chatbot com cliente

Foto: Divulgação

Só no Facebook Messenger, já são mais de 11 mil sistemas desenvolvidos para conversar com os usuários. O novo smartphone do Google, o Pixel, aposta alto em um assistente inteligente. Há poucos meses, a empresa lançou o Allo, um app de conversas que se destaca justamente pelo seu chatbot. E entre o número cada vez maior de startups que apostam nesse mercado estão brasileiros, como a Nama.

A Nama cria sistemas com inteligência artificial para que empresas consigam automatizar o atendimento a clientes. Os consumidores podem conversar com a empresa em diversos mensageiros, como Telegram, Facebook Messenger, SMS ou mesmo sistemas de chat personalizados.

Os robôs entendem tanto o que os usuários digitam quanto o que falam. Eles têm algoritmos analíticos e usam deep learning, ou seja: com o tempo vão aprendendo o que as pessoas estão dizendo e se tornam mais inteligentes na elaboração das respostas automáticas. “Dessa forma, proporcionamos uma comunicação automatizada e escalável sem precisar que o consumidor baixe nada”, explica Rodrigo Scotti, fundador da empresa.

Chatbots: da ficção científica ao mundo

Entre 2011 e 2014, Rodrigo Scotti já havia empreendido antes com inteligência artificial. Tinha uma startup chamada Das Dad, que utilizava deep learning também para intermediar conversa entre empresas e consumidores. Mas por conflitos com os sócios, encerrou a empresa e criou a Nama.

Ele diz que, desde o início, se inspirou em filmes de ficção científica. Rodrigo é formado em Publicidade, mas se interessou pelo empreendedorismo ao ver o poder que os algoritmos tinham. Passou a vender os sistemas e a acumular casos bem sucedidos.

Quando criou a Nama, trouxe o conhecimento que já tinha do empreendimento anterior, captou investimentos (no momento está em uma segunda rodada) e se juntou a mais três sócios, Gabriel Passafaro (CFO), Leonardo Batista (CTO) e Lúcio Silveira (COO). Hoje, a equipe tem dez pessoas.

LEIA MAIS
O que aprendemos com a Tay, o chatbot polêmico da Microsoft
LEIA MAIS
Google lança nova edição de programa de aceleração para startups

Apesar de terem milhares de concorrentes ao redor do mundo, Rodrigo garante que sua tecnologia não fica para trás em nada. “Nossa tecnologia é sólida, usamos complementos robustos e avançados. Também temos um código próprio para desenvolver inteligência artificial com foco na linguagem natural. Nosso gerenciador de diálogos entende contextos e subcontextos”, garante. Empresas que quiserem testar o sistema podem pedir por uma demonstração no site da Nama.

A aposta alta deles rendeu o sexto lugar na competição Open 100 Startups e os permitiu ficarem como residentes no campus do Google em São Paulo.

Rodrigo diz que já tem clientes fora do Brasil e se prepara para, no próximo ano, expandir internacionalmente o negócio. “É um dos nossos principais objetivos para o ano que vem”, diz. Ele afirma que o sistema já comporta, nativamente, outros idiomas. Se a empresa acompanhar o ritmo do mercado de chatbots, o caminho pela frente parece promissor.

Gostou deste post? Que tal compartilhar:
Últimos
Trend Tags
Array ( [0] => 237 [1] => 205 [2] => 97 [3] => 76 [4] => 222 [5] => 157 [6] => 276 [7] => 12 [8] => 249 [9] => 94 [10] => 267 [11] => 68 [12] => 16 [13] => 115 [14] => 186 [15] => 17 [16] => 173 [17] => 175 [18] => 238 [19] => 62 [20] => 92 [21] => 236 [22] => 25 [23] => 153 [24] => 125 )
Vídeos
Copyright © 2016 Free the Essence