Conheça o Bynd, o aplicativo de caronas corporativas
carona corporativa (1)
Foto: Istock/Getty Images
Nova Economia > Consumo Colaborativo

Conheça o Bynd, o aplicativo de caronas corporativas

Pedro Katchborian em 6 de junho de 2016

O Bynd é mais um aplicativo que se dedica a economia colaborativa. O serviço, destinado a caronas corporativas, tem como objetivo conectar funcionários de uma mesma empresa que fazem trajetos similares, para que eles possam dividir o carro.

“Vendemos a solução para a empresa, que nos paga uma mensalidade. Oferecemos um estudo de mobilidade para a companhia, fazemos ativação, lançamos e mandamos um link para os funcionários, que já conseguem interagir na plataforma e ver para quem podem pedir ou oferecer carona”, conta Gustavo Gracitelli, fundador da empresa.

O app também trabalha com gamificação: quem utiliza ganha pontos que podem ser trocados por produtos ou serviços. Além disso, em breve, deve ser implementada uma plataforma de pagamento para que usuários possam dividir os custos no próprio aplicativo. 

screenshot do aplicativo de caronas corportativas

Screenshot Bynd Foto: Reprodução/Site

Segundo Gracitelli, o aplicativo tem três focos diferentes: gerar integração, já que funcionários conhecem pessoas de diferentes áreas, diminuir o custo de mobilidade corporativa (vale estacionamento ou fretado) e engajar na sustentabilidade.

Uma pesquisa feita pela ONG Mobilidade Urbana mostrou que, em média, o paulistano demora 1h44 por dia para se locomover até o trabalho. O Bynd é capaz de tornar esse tempo no tráfego mais agradável. Erica Suzuki, do Mercado Livre, empresa que contratou o serviço, falou sobre sua experiência ao usar o app. “Antes eu ia para empresa tão solitária. O meu maior ganho foi conhecer melhor duas pessoas tão especiais: as minhas amigas Louise e Nathalia. Não sabia que elas moravam tão próximo de mim”, comenta. Até agora, o Bynd tem cinco clientes.

Caronas corporativas e a economia compartilhada

O Bynd é mais um app que incentiva o compartilhamento de bens e a economia colaborativa. “É uma grande tendência, mas ainda está em pouca escala. Não é a grande massa que fala sobre economia compartilhada”, diz Gracitelli.

“Na Europa e nos Estados Unidos a economia compartilhada é mais forte”, comenta. Gracitelli também diz que a ideia do compartilhamento de bens não é nova:

O valor de dividir não é novo. Desde sempre existe o vizinho dando comida para o cachorro, emprestando ferramentas…

No Brasil, já há iniciativas como o UberPool e BláBláCar, que também promovem o compartilhamento do carro.

Impasses com a justiça

O decreto que regularizou o Uber e as caronas foi elogiado pela empresa, que é a favor dessas regulamentações, mesmo que com ressalvas. “Foi bom, mas as resoluções estão pautadas no modelo do Uber, o que é ruim para nós”, explica Gracitelli.

Leia mais:
Sharewashing: quando a economia compartilhada fica em xeque
Sete serviços para viver sem carro

Segundo decreto publicado no Diário Oficial da Cidade São Paulo, apps de carona como o Bynd precisam ter cópia da CNH dos usuários do app, controle do modelo do carro e até antecedentes criminais do motorista.

“A ideia é um compartilhamento do que já existe. Se mantidas essas resoluções, elas serão péssimas para a inovação”, diz. Agora, Gracitelli batalha para que essas resoluções mudem.

Gostou deste post? Que tal compartilhar:
Últimos
Trend Tags
Array ( [0] => 76 [1] => 222 [2] => 237 [3] => 115 [4] => 17 [5] => 238 [6] => 92 [7] => 125 [8] => 173 [9] => 16 [10] => 276 [11] => 25 [12] => 157 [13] => 66 [14] => 67 [15] => 62 [16] => 153 [17] => 127 [18] => 12 [19] => 19 [20] => 187 [21] => 69 [22] => 154 [23] => 175 )
Vídeos
Copyright © 2016 Free the Essence