Conheça a marca de moda open source que disponibiliza seus modelos
moda open source
Foto: Istock/Getty Images
Nova Economia > Consumo Colaborativo

Conheça a marca de moda open source que disponibiliza modelos para download

Camila Luz em 19 de agosto de 2016

Post-Couture Collective é a marca de moda open source na qual qualquer pessoa pode fazer download de um modelo no site, escolher o tecido, cortá-lo e montar a roupa em casa.

Martjin Van Strien sentado com parede verde atrás

Martjin Van Strien, criador da Post-Couture Collective. Foto: Divulgação

Fundada pelo designer holandês Martjin Van Strien, a marca revolucionária quer funcionar como uma alternativa ao fast fashion. Esse sistema se baseia no alto volume de produção de peças praticamente descartáveis, confeccionadas em países pobres a partir da exploração de mão-de-obra.

A Post-Couture Collective, por outro lado, é “acessível e sustentável”. “Eu quis projetas peças de vestuário para o futuro onde a produção não está localizada em fábricas no exterior, mas sim em qualquer lugar do mundo, feita por qualquer pessoa”, explica Martjin ao site WGSN.

Como funciona a Post-Couture Collective

Martjin explica que seu objetivo é trazer uma nova forma de pensar sobre a sustentabilidade.

Estamos abraçando o movimento maker e cortando o trabalho injusto, a produção excessiva e o desperdício.

Segundo o site oficial da marca, nos últimos anos, roupas têm sido tratadas como produtos descartáveis. O sistema é baseado  na fabricação do maior número de peças pelo menor custo possível. Preços baixos são atraentes, mas o que esse modo de produção significa para o futuro do meio ambiente e para as pessoas que estão trabalhando nessa indústria?

No site de moda open source, qualquer um pode fazer download dos modelos por €5 (R$ 17,50 na cotação atual). A página também mostra o tamanho que o laser cutter (impressora 3D a laser) deve ter para ser capaz de cortar o tecido no design adequado.

Com os arquivos e tecidos em mãos, basta ir até um espaço que tenha o equipamento para transformá-lo em uma roupa nova. Também é possível personalizar o modelo usando programas como o Illustrator.

Veja o vídeo explicativo:

Post-Couture | How it works from martijnvanstrien.com on Vimeo.

Todos os tecidos indicados pelo Post-Couture Collective são feitos de fibras sintéticas e podem ser facilmente adquiridos em lojas comuns. “Eu queria materiais que estivessem disponíveis para todos, então todos os tecidos mencionados no site podem ser adquiridos em qualquer loja de tecidos, com exceção dos verdes, que são feitos de garrafas de Sprite recicladas”, explica Martjin.

O futuro do modelo de moda open source

A Post-Couture Collective foi lançada em 2015 com seis modelos tirados da própria marca experimental do designer, a mpvhs. Segundo Martjin, o processo de lançamento de novas coleções deve ser orgânico. “O processo de criar uma nova coleção está baseado na exploração de novas técnicas ou métodos de produção. Por isso, eu não sigo estações ou uma escala de tempo. Isso irá acontecer quando acontecer”, justifica.

Leia mais:
Tecnologia e moda: vestidos high-tech que você realmente pode usar
Gabriela Agustini, do Olabi, e o empoderamento da cultura maker
O que é e para que serve um makersparce e um fab lab?

Por enquanto, os consumidores da marca ainda são pessoas que têm consciência sobre os problemas ambientais e sociais que envolvem o consumo de moda. Mas o designer tem esperança de que irá conseguir espalhar seu modelo para mais pessoas nos próximos anos. “Poderíamos hospedá-lo em oficinas e lojas pop up, por exemplo, nas quais você pode escolher o design, adaptá-lo para suas medidas, cortar e ter uma nova roupa em poucos minutos. O cliente é o designer e vai embora com algo verdadeiramente original”, argumenta.

Para ele, o principal ponto positivo da moda open source é colaboração. Compartilhar modelos online dá ferramentas e autonomia para o consumidor, que pode contribuir de volta com palpites sobre os designs e novas ideias. “Com mais avanços na tecnologia, nós esperamos poder usar a impressão 3D para produzir materiais e novos designs — esse é o futuro!”, conclui.

Gostou deste post? Que tal compartilhar:
Últimos
Trend Tags
Array ( [0] => 76 [1] => 222 [2] => 237 [3] => 115 [4] => 17 [5] => 238 [6] => 92 [7] => 125 [8] => 173 [9] => 16 [10] => 276 [11] => 25 [12] => 157 [13] => 66 [14] => 67 [15] => 62 [16] => 153 [17] => 127 [18] => 12 [19] => 19 [20] => 187 [21] => 69 [22] => 154 [23] => 175 )
Vídeos
Copyright © 2016 Free the Essence