Infopreta: serviços de informática para a inclusão digital de mulheres
serviços de informática
Foto: Istock/Getty Images
Nova Economia > Criativos

Infopreta: serviços de informática para a inclusão digital de mulheres periféricas

Camila Luz em 20 de dezembro de 2016

Mulheres cis ou transgênero que vivem na periferia de São Paulo e precisam de ajuda para consertar seus computadores podem desfrutar de serviços de informática criados especialmente para elas. Em 2013, Buh D’Angelo fundou o Infopreta em São Paulo, assistência técnica que confronta o padrão de que só existem homens trabalhando nessa área.

infopreta

Foto: Reprodução/Site

Além de prestar serviços de informática para moradoras periféricas em situação de vulnerabilidade, o Infopreta oferece consultoria em tecnologia e TI, faz o desenvolvimento de sites e instala softwares. Também ministra cursos e palestras e faz a reciclagem de equipamentos em geral.

Ao contratar os serviços do Infopreta, mulheres podem se sentir mais seguras ao evitar que homens estranhos entrem em suas casas. Mas quando Buh as visita, proporciona algo que vai além de segurança: inspiração.

Mais mulheres em serviços de informática e em vagas de tecnologia

Homens são maioria absoluta no mercado quando o assunto é mecânica, tecnologia, eletrônica, robótica e tecnologia da informação. Segundo o último Censo de Educação Superior, obtido pelo projeto Programaria, a cada 100 alunos de um curso de computação, apenas 15 são mulheres. Elas não são incentivadas a trabalhar na profissão, considerada masculina.

Na periferia essa realidade se acentua, já que muitas meninas e adolescentes se casam cedo, engravidam e não continuam os estudos. Têm acesso limitado à tecnologia e à internet — ferramenta útil para buscar conhecimento, começar o próprio negócio ou simplesmente abrir a cabeça.

LEIA MAIS
Plano de Menina: garotas empoderadas podem mudar a realidade e a economia
LEIA MAIS
6 mulheres que revolucionaram a tecnologia que você precisa conhecer

“Acreditamos na potencialização da formação de mulheres em situações periféricas através do acesso à computadores e notebooks, consequentemente democratizando o acesso à internet”, diz o site oficial do Infopreta.

Quando faz as visitas, Buh faz questão de mostrar todo o processo de conserto para que as clientes aprendam e possam se virar sozinhas dali em diante. Oferece preços acessíveis ou presta o serviço de graça. Afinal, a meta é garantir que mais mulheres da periferia tenham acesso à tecnologia.

Também com esse objetivo em mente, Buh criou um canal no Youtube para trazer novas ideias sobre tecnologia e mostrar que “lugar de mulher é em todos os lugares” – principalmente o da mulher negra. Ela usa linguagem simples, clara e objetiva para explicar métodos e, sobretudo, para mostrar como a tecnologia é vista a partir dos olhos de uma mulher.

No canal, as dicas são úteis. Ensina mulheres a começar a programar, mostra como localizar e bloquear o celular através do Google e fala sobre bons antivírus para notebook.

Serviços por mulheres e para mulheres

Além de Buh, outras profissionais estão se mobilizando para oferecer serviços considerados masculinos a outras mulheres. O paulistano “M’Ana – Mulher Conserta para Mulher”, é voltado para manutenção doméstica. As sócias Ana Luisa Monteiro Correard e Katherine Pavlovski oferecem manutenção residencial elétrica, hidráulica, montagem de móveis, pintura e fixação de quadros, prateleiras e o que mais for preciso.

Quando ainda não trabalhava na área, Ana Luisa foi assediada verbalmente por um entregador de gás dentro de sua própria casa. As sócias não querem que outras mulheres passem por isso. Além de prestar os serviços, estão investindo na formação de franquias e oferecem cursos para capacitar quem deseja aprender a fazer consertos em casa.

Mecânica e consertos domésticos também podem ser aprendidos online. Há canais feitos por mulheres e para mulheres que ensinam a trocar resistência do chuveiro, reformar a casa, trocar pneu e até a fazer revisão do carro sem ajuda de um homem. Com disposição, é possível dispensar prestadores de serviços e tomar as rédeas – e quem sabe até ganhar um dinheirinho.

Gostou deste post? Que tal compartilhar:
ESCOLHA DO EDITOR
Últimos
Trend Tags
Array ( [0] => 205 [1] => 76 [2] => 12 [3] => 237 [4] => 97 [5] => 249 [6] => 222 [7] => 62 [8] => 157 [9] => 276 [10] => 259 [11] => 86 [12] => 267 [13] => 94 [14] => 68 [15] => 16 [16] => 167 [17] => 115 [18] => 186 [19] => 17 [20] => 102 [21] => 173 [22] => 238 [23] => 175 [24] => 92 )
Vídeos
Copyright © 2016 Free the Essence