Brasileiros chegam a vender 20 mil salgadinhos de festa por mês nos EUA
salgadinhos-de-festa1
Foto: Divulgação
Nova Economia > Criativos

Brasileiros faturam vendendo salgadinhos de festa em Nova York

Camila Luz em 27 de setembro de 2016

Coxinha e pão de queijo são quitutes apreciados no Brasil que não faltam em aniversários infantis, eventos da firma, formaturas e casamentos. Dois brasileiros descobriram que, nos Estados Unidos, também há mercado para os salgadinhos de festa. Eles abriram o Petisco Brazuca, um delivery em Nova York que atende até grandes instituições como ONU e a Google.

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

O casal, que morava em São Paulo, chegou aos Estados Unidos em 2012 com o objetivo de aperfeiçoar o inglês e conhecer o mercado local. Ricardo Rosa estudou propaganda e marketing e sempre trabalhou com publicidade. Vanessa Oliveira é formada em administração e trabalhava como bancária.

A ideia de abrir o delivery de salgadinhos de festa em Nova York surgiu de forma muito natural, enquanto procuravam por um serviço na internet para a festa de um amigo. “Não encontramos nenhuma opção de restaurante que realizasse a entrega no nosso endereço, mesmo quando estávamos vivendo em Manhattan”, conta Ricardo. “Nesse mesmo período nós já estávamos pensando em criar algo, e depois desse momento começamos a pesquisar e estruturar a ideia de criar um serviço que suprisse essa deficiência”, completa.

Todo mundo gosta de salgadinhos de festa

Logo de cara a ideia pareceu muito boa principalmente pela quantidade de brasileiros vivendo na metrópole. “Em Nova York, a comunidade brasileira supera o número de 300.000 pessoas e achamos que, assim como nós, outras pessoas deveriam estar passando pelo mesmo problema”, explica Ricardo.

homem segurando celular e copo com coxinhas

Foto: Divulgação

Pão de queijo e coxinha, por exemplo, são tipicamente brasileiros. No nosso país, encomendar salgadinhos de festa é praxe principalmente em aniversários e eventos corporativos. Como nos Estados Unidos isso praticamente não existe, criar o serviço delivery para atender as vontades dos brasileiros vivendo em solo americano teria tudo para dar certo.

Ricardo e Vanessa começaram a buscar receitas e a estudar um menu inicial que fosse simples, já que no início o delivery era atividade paralela. “Nós criamos a marca e colocamos uma página no Facebook para divulgar o serviço enquanto trabalhávamos para aperfeiçoar a ideia, mas fomos surpreendidos pela aceitação dos clientes. Em pouco tempo já estávamos com a empresa criada e trabalhando clientes grandes”, conta.

Hoje, 30% dos clientes do Petisco Brazuca são americanos. Ricardo conta que o número de pedidos varia muito de acordo com fatores como estações do ano. Mas em certos períodos chegam a entregar 20 mil unidades por mês.

Além da Google e ONU, grandes empresas encomendam salgadinhos de festa no Petisco Brazuca, como Samsung, Yahoo, Michael Kors, JP Morgan, HSBC e Globo Internacional.

O delivery entrega pão de queijo, tortinha de frango, croquete de carne, bolinho de bacalhau e coxinhas de diferentes sabores, como queijo, doce de leite e vegana.

Leia mais:
Teleport mostra em qual cidade você deve morar ou empreender
25 cidades mais tecnológicas do mundo
As melhores cidades do mundo para a mulher empreendedora

Vantagens de empreender em Nova York                                                                                        

Para Ricardo, empreender em Nova York não é como empreender no Brasil. “A cidade de Nova York tem uma atmosfera empreendedora absurda. São pessoas do mundo inteiro com ideias de criar produtos e serviços inusitados”, explica. “Aqui a concorrência é muito grande por que todos têm acesso a todo tipo de incentivo e aos mais diversos fornecedores. É possível customizar embalagens, criar protótipos, investir em aplicativos, ter serviço de logística de baixo custo, entre outras facilidades”, completa.

imagens de divulgação do aplicativo

Aplicativo Petisco Brazuca Foto: Divulgação

O sócio diz ser fácil encontrar serviços que ajudam a complementar suas ideias. Além disso, empresas de grande porte desenvolvem iniciativas que beneficiam pequenos e médios empreendedores, fornecendo o ambiente necessário para que os menores também cresçam e se desenvolvam.

Ricardo acredita que o Brasil está caminhando para se tornar um país mais acolhedor e oportuno para empreendedores. Mas ainda está longe de se equiparar aos Estados Unidos.  “No Brasil, eu vejo a vontade por parte dos empreendedores de se desenvolverem, mas não vejo essa mesma vontade e velocidade por parte de outras empresas e do governo”, opina.

Gostou deste post? Que tal compartilhar:
Últimos
Trend Tags
Array ( [0] => 76 [1] => 222 [2] => 237 [3] => 115 [4] => 17 [5] => 238 [6] => 92 [7] => 125 [8] => 173 [9] => 16 [10] => 276 [11] => 25 [12] => 157 [13] => 66 [14] => 67 [15] => 62 [16] => 153 [17] => 127 [18] => 12 [19] => 19 [20] => 187 [21] => 69 [22] => 154 [23] => 175 )
Vídeos
Copyright © 2016 Free the Essence