Cidades inteligentes terão seu próprio sistema operacional?
Shoppping Street in Shanghai
Foto: iSotck/Getty Images
Nova Economia > Modelos Disruptivos

Cidades inteligentes terão seu próprio sistema operacional?

Diana Assennato em 27 de abril de 2016

Assine nossa newsletter

No futuro, da mesma forma que seu computador tem um sistema operacional próprio, o seu município também poderá ter um. Isso, é claro, se você viver em uma cidade inteligente – conceito que ganha cada vez mais força ultimamente.

A ideia vem do inglês smart cities e, basicamente, se refere a um conjunto de tecnologias integradas para melhorar a vida das pessoas. André Lemos, pesquisador da UFBA (Universidade Federal da Bahia) define o conceito da seguinte forma: “Cidade inteligente refere-se a processos informatizados sensíveis ao contexto, lidando com um gigantesco volume de dados (Big Data), redes em nuvens e comunicação autônoma entre diversos objetos (Internet das Coisas). Inteligente aqui é sinônimo de uma cidade na qual tudo é sensível ao ambiente e produz, consome e distribui um grande número de informações em tempo real”.

Há várias aplicações que podem enquadrar uma cidade nessa concepção. Mas, você pode imaginar uma em que os semáforos têm sensores e sabem o melhor momento de abrir e fechar, as luzes se acendem apenas quando o ambiente fica escuro, ou que todos os cidadãos têm acesso a dados de poluição. Esses são apenas alguns exemplos.

Para que o grande volume de dados seja organizado e os objetos consigam comunicar-se entre si de forma adequada, é importante que o município tenha um sistema que integre tudo isso. E é aí que entra a ideia de um sistema operacional para a cidade.

Leia também: O futuro da tecnologia segundo investidores

Como são os sistemas operacionais das cidades inteligentes

Diversos desenvolvedores independentes e grandes marcas têm trabalhado para desenvolver o sistema operacional de uma cidade. A IBM, por exemplo, criou o Intelligent Operations Center (Centro de Operações Inteligentes, em português), que funciona no Rio de Janeiro.

O sistema, implantado na capital carioca em 2012, permite que autoridades públicas consigam acompanhar, com precisão, o tráfego nas principais vias; acompanhem ações policiais em mais de 500 pontos que contam com câmeras; e ainda fiquem de olho em previsões meteorológicas.

As ferramentas do Centro de Operações ainda servem para a prefeitura planejar situações excepcionais, como organizar o réveillon, ordenar o trânsito em dia de um festival como o Rock in Rio etc.

A inovação ganhou tanto reconhecimento que levou o prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, a ser palestrante do TED, e ainda rendeu destaque no jornal The New York Times.

Há outros casos. Na Inglaterra  há o Bristol is Open, desenvolvido em parceria pelo conselho municipal e a Universidade de Bristol. Ele também funciona como um sistema operacional, feito para gerenciar sensores de poluição, de iluminação e diversas câmeras locais.

O projeto coleta os dados de diversos cidadãos e disponibiliza, de forma anônima, em um portal aberto. Muitos dos dados são utilizados por pesquisadores acadêmicos, mas também por curiosos e políticos preocupados em desenvolver políticas inovadoras para melhorar a qualidade de vida na cidade.

O projeto foi iniciado em 2015 e deverá se desenvolver até 2018. Veja mais no vídeo abaixo:

Gostou deste post? Que tal compartilhar:

Assine nossa newsletter e receba nossas novidades em primeira mão.

Últimos
Trend Tags
Array ( [0] => 76 [1] => 222 [2] => 237 [3] => 205 [4] => 94 [5] => 97 [6] => 115 [7] => 17 [8] => 238 [9] => 92 [10] => 157 [11] => 276 [12] => 153 [13] => 62 [14] => 125 [15] => 25 [16] => 173 [17] => 16 [18] => 66 [19] => 67 [20] => 12 [21] => 69 [22] => 127 [23] => 187 )
Vídeos
Copyright © 2016 Free the Essence

Assine nossa newsletter

e receba nossas novidades em primeira mão.