Conheça os job quitters, profissionais que não param em um emprego
emprego (1)
Foto: Istock/Getty Images
Nova Economia > Modelos Disruptivos

Conheça os job quitters, profissionais que não param em um emprego

Aretha Yarak em 21 de agosto de 2017

Misture duas tendências de mercado. De um lado, grandes empresas e corporações que progressivamente se eximem das obrigações de longo prazo com seus funcionários. Do outro, uma nova geração de profissionais que é estimulada a se enxergar como CEO de si mesmo, detentor de habilidades a serem continuamente aprimoradas. O resultado? A cultura dos “job quitters”, pessoas que pulam de emprego em emprego, levando consigo experiências e práticas.

emprego

Foto: Istock/Getty Images

Cada vez mais importante nos Estados Unidos, esse fenômeno é formado por pessoas que não acreditam mais na visão tradicional do que é um bom trabalho. Se no passado a vaga dos sonhos era aquela com bons benefícios, localização privilegiada e projeto de carreira, agora isso nem é mais levado tão em consideração. Para os job quitters, um bom emprego é aquele que o prepara para o próximo, e quase sempre em uma empresa diferente. Por isso, quando assumem uma posição, já estão de olho na próxima oportunidade.

Mas esse comportamento não surgiu do nada. Voltemos à mudança estrutural das empresas, que mencionamos lá no começo do texto. Para otimizar custos e aumentar a lucratividade, as corporações começaram a privilegiar relações menos burocráticas com funcionários. Em termos práticos, isso vem se traduzindo em contratos temporários e salários mais baixos. Ou seja, o compromisso trabalhista foi por água.

A resposta dos profissionais, no entanto, tem aparecido na mesma moeda. Eles se tornaram menos leais e deixaram de lado bordões como “vestir a camisa da empresa”. Agora, a jogada é estar sempre procurando um novo cargo e, se ele aparecer, pedir demissão e se mandar, sem olhar muito para trás.

O job quitter e o melhor emprego

Para um job quitter, a tradução de uma boa vaga nem sempre é um salário maior. Agora que virou seu próprio CEO, ele precisa estar sempre atualizado e aprimorar cada vez mais suas habilidades. Por isso, a nova posição deve, preferencialmente, permitir que ele aprenda e domine uma nova aptidão — que, é claro, será usada no próximo emprego. E se não for possível agregar conhecimento, existe apenas uma contrapartida: reputação. Trabalhar em uma empresa que é altamente reconhecida faz dele um profissional desejado no mercado. No fim das contas, o raciocínio do job quitter é sempre a demissão: essa vaga vai me preparar para a seguinte?

LEIA MAIS
Jornada de trabalho europeia, o exemplo francês e a lei brasileira
LEIA MAIS
Futuro do trabalho: em breve teremos múltiplos empregos

Em artigo para a MTV, a jornalista britânica Christobel Hastings, uma job quitter assumida, defende um estilo de vida mais independente e com mais satisfação pessoal. Ela conta: “decidi que não queria me adequar aos padrões tradicionais de trabalho que só tinham servido para me limitar. Eu queria um futuro cheio de ar fresco, caminhadas no parque e pausas feitas como e quando eu estivesse com vontade”. De acordo com ela, a nova geração de profissionais já está entrando no mercado de trabalho com uma visão mais moderna da relação empregador/empregado. “Queremos escolhas, controle. E espaço para traçar, refletir e crescer”, escreveu.

A geração dos millennials

Aqui no Brasil, a geração Y, formada por jovens nascidos entre 1980 e 2000, chegou no mercado de trabalho há poucos anos causando certo alvoroço. Mais bem informados e preparados, eles foram chamados de arrogantes e petulantes por muito tempo. E mudaram de empregos várias vezes, em busca de novos desafios, de tarefas estimulantes, e fugindo de funções que consideravam chatas.

Recentemente, entretanto, uma pesquisa da consultoria Deloitte apontou uma inversão no comportamento desse grupo. No final de 2015, 48% dos jovens de 19 a 35 anos esperavam trocar de trabalho em no máximo dois anos. Apenas um ano mais tarde, esse número caiu para 34%. Para o instituto que fez o levantamento, a inversão parece ter sido motivada por uma forte desilusão, causada pela recessão econômica, corrupção e violência. Ao que parece, a falta de estabilidade não é vista pelos jovens como uma boa ideia quando não é uma escolha, mas sim uma imposição do cenário.

Gostou deste post? Que tal compartilhar:
ESCOLHA DO EDITOR
Últimos
Trend Tags
Array ( [0] => 205 [1] => 76 [2] => 12 [3] => 237 [4] => 97 [5] => 249 [6] => 222 [7] => 62 [8] => 157 [9] => 276 [10] => 259 [11] => 86 [12] => 267 [13] => 94 [14] => 68 [15] => 16 [16] => 167 [17] => 115 [18] => 186 [19] => 17 [20] => 102 [21] => 173 [22] => 238 [23] => 175 [24] => 92 )
Vídeos
Copyright © 2016 Free the Essence