Weeazy: como funciona a plataforma para ensinar e aprender pela internet
educação
Foto: Istock/Getty Images
Nova Economia > Modelos Disruptivos

Weeazy: como funciona a plataforma para ensinar e aprender pela internet

Kaluan Bernardo em 7 de julho de 2016

“O Uber da educação” — é assim que a Weeazy, startup brasileira, se define. É  uma plataforma onde todos podem ensinar e aprender o que quiserem cobrando o quanto quiserem pelas suas aulas.

Na rede, você encontra desde aulas de música à programação ou receitas de bolo. “Acreditamos que todos têm algo a aprender e a ensinar”, defende Felipe Moraes, co-fundador da empresa. Ele acredita que as pessoas, em geral, têm duas coisas muito valiosas, mas que usam mal: tempo e conhecimento.

Adquirimos uma série de conhecimentos, mas que não passamos para frente. E nosso tempo, já escasso, desperdiçamos com várias coisas que não são nosso foco.

Por isso, a ideia da Weeazy é resolver essas duas pontas, valorizando o tempo e o conhecimento de qualquer um. A ideia, como conta Felipe, é que as pessoa possam usar a rede como uma forma de fazer grana extra — algo bem-vindo em tempos de crise. “Enquanto no Uber você vende seu tempo dirigindo carros, aqui você vende ensinando algo que conhece”, explica.

Leia também:
Alex Bretas e a busca por educação inovadora
Qual é o futuro da educação à distância

Há também a ideia de colaboração. “Você pode dar uma aula de inglês, ganhar um dinheiro e já gastá-lo para aprender a tocar violão. No você não perdeu nada e ganhou muito”, resume Felipe.

Como funciona a Weeazy, plataforma de educação online

Quando você entra na Weeazy, logo precisa escolher quais são os assuntos pelos quais se interessa em ensinar e quais gostaria de aprender. Em seguida, conhece um “mural de aulas” com pessoas ensinando os mais diferentes assuntos.

No momento, as aulas são todas ao vivo e feitas apenas entre professor e aluno. No futuro, eles pretendem permitir que um professor ensine a várias pessoas ao mesmo tempo e grave cursos. No entanto, o foco mesmo será nas aulas ao vivo.

Os preços das aulas variam e podem ser combinados entre alunos e professores. Também são permitidos cursos gratuitos. Segundo Felipe, a média circula em torno de R$ 50. Para qualquer aula, a plataforma cobra 15% de comissão do professor. Os cursos mais comuns por lá são de idiomas e programação.

Simplificando o Weeazy – A maior plataforma de ensino colaborativo online from Weeazy Oficial on Vimeo.

Empreendendo no interior: o futuro e os desafios da Weaazy

“Nossa história não é glamourosa”, avisa Felipe. Mas é interessante. Os três co-fundadores trabalhavam com marketing em uma empresa de tecnologia e já estavam cansados da cultura organizacional que não os permitia evoluir como queriam. “Pegamos um projeto e ficávamos muito tempo em uma sala pequena fazendo uma tarefa mecânica. Nesse contexto, decidimos que sairíamos e criaríamos nosso próprio negócio”, lembra.

Saíram e criaram uma agência de marketing digital, que durou três meses. Felipe tinha a ideia da Weeazy, que martelava em sua cabeça há mais de cinco anos. “Comecei a falar para várias pessoas até que uma delas gostou e resolveu investir em nós”, conta. Segundo ele, receberam R$ 150 mil em investimento anjo e, então, decidiram focar na startup de educação. Mais tarde ganharam mais um sócio que os ajudou em uma segunda rodada de investimento. De acordo com Felipe, levantaram mais R$ 850 mil.

equipe do weeazy de braços cruzados com camisetas pretas e com camiseta branca

Foto: Divulgação

Tudo isso aconteceu enquanto eles operam em Ribeirão Preto, interior de São Paulo. Segundo Felipe, é um desafio trabalhar em cidades pequenas porque “a cultura de startups não é tão forte”, mas compensa por economizar recursos (algo importante quando a empresa está começando) e garantir qualidade de vida aos colaboradores. “O importante é não ter a mentalidade local e pensar grande, expandir, agir como uma startup”, diz.

A Weeazy estreou em março de 2016. Três meses depois, alegam ter mais de cinco mil usuários. E têm muitos planos ainda para este ano: lançar um recurso premium para permitir que professores possam gravar suas aulas ou ensinar várias pessoas de uma vez; gamificar a plataforma; e emitir certificados.

Assim, pretendem se diferenciar mais de outras plataformas de educação online ao focar na possibilidade de todos poderem aprender tudo (não só conhecimento acadêmico) e permitir que as aulas possam ter a maior interatividade possível.

Gostou deste post? Que tal compartilhar:
Últimos
Trend Tags
Array ( [0] => 76 [1] => 222 [2] => 237 [3] => 115 [4] => 17 [5] => 238 [6] => 92 [7] => 125 [8] => 173 [9] => 16 [10] => 276 [11] => 25 [12] => 157 [13] => 66 [14] => 67 [15] => 62 [16] => 153 [17] => 127 [18] => 12 [19] => 19 [20] => 187 [21] => 69 [22] => 154 [23] => 175 )
Vídeos
Copyright © 2016 Free the Essence