Vegetarianismo, veganismo e dieta macrobiótica: saiba as diferenças
vegetarianismo
Foto: Istock/Getty Images
Sustentabilidade > Em Casa

Veganismo, dieta macrobiótica e tipos de vegetarianismo: entenda as diferenças

Camila Luz em 3 de outubro de 2016

O vegetarianismo e o veganismo são dietas que prometem ser melhores para a saúde e o meio ambiente. Há diferentes formas de adotá-las de acordo com os alimentos consumidos, como ovos, laticínios, mel e corantes.

Ana Ceregatti, nutricionista clínica especialista em vegetarianismo, afirma que essa dieta pode ser adotada por qualquer pessoa, independente da fase da vida ou das condições de saúde. “Bebês, gestantes, mulheres que amamentam, idosos, atletas, pessoas com câncer, com alzheimer… não existe na literatura nenhuma condição de saúde que seja agravada ou causada pela dieta vegetariana adequada”, defende.

Ana completa que qualquer pessoa pode decidir adotar nova dieta da noite para o dia. Mas para evitar prejuízos para a saúde, é preciso fazer exames e consultar um profissional especializado na alimentação escolhida. Veja a lista abaixo e faça sua escolha.

Tipos de vegetarianismo e outras dietas:

Onívora

A dieta onívora ainda é a mais comum hoje e é praticada por quem come tanto produtos de origem animal, como carnes, ovos, leite e laticínios, quanto alimentos de origem vegetal.

Ovolactovegetariana

O ovolactovegetariano é aquele que elimina qualquer tipo de carne de sua alimentação, incluindo animais marítimos como camarões, lulas, polvos, caranguejos e mariscos. “O vegetariano exclui carne vermelha, peixes, aves, pescados, frutos do mar e tudo que possa incluir carne de animais”, explica Ana.

A alimentação ovolactovegetariana é a mais comum depois da onívora. Nesse caso, o indivíduo come produtos derivados de animais, como laticínios e ovos.

Lactovegetariana

Além de eliminar todos os tipos de carnes, o lactovegetariano também exclui ovos de sua alimentação. No entanto, continua consumindo laticínios. Muitos fazem essa opção por dó de galinhas que podem ser exploradas à exaustão ou até sofrer maus-tratos.

Ovovegetariana

O indivíduo continua consumindo ovos, mas elimina laticínios. Isso significa deixar de lado queijos, manteiga, requeijão, margarina e outros produtos derivados do leite. Há vários motivos para adotar essa dieta, como intolerância à lactose ou não concordar com a forma como animais leiteiros são tratados na indústria alimentícia.

Leia mais:
7 alimentos que não podem faltar na dieta do vegetariano
Atletas veganos: as vantagens de uma dieta sem alimentos de origem animal
Cinco dicas para ser vegetariano com saúde

Vegetariana estrita

A dieta vegetariana estrita é mais radical e elimina qualquer produto de origem animal. Além de carnes, ovos e laticínios, exclui mel e o corante cochinilha, extraído do inseto mexicano Dactylopius Coccus. Ele dá cor carmim a biscoitos, geleias, sobremesas e outros alimentos.

O vegetariano estrito não concorda com a matança dos insetos produtores do corante e nem de abelhas produtoras de mel. Qualquer outra substância derivada de animais que seja utilizada em produtos alimentares é cortada da dieta.

Vegana

Assim como a dieta vegetariana restrita, a vegana exclui todo alimento de origem animal, incluindo corantes e substâncias utilizadas em comidas industrializadas. Mas vai além, excluindo do seu dia a dia qualquer produto que se origine da exploração dos seres vivos.

O movimento vegano é um estilo de vida. Não usa produtos de higiene e beleza que derivem da exploração animal, não utiliza, couro, lã, seda ou produtos testados. Vai além do prato, da dieta”, explica Ana.

Macrobiótica

“A macrobiótica é um tipo de alimentação que vem da China e tem base no TAO, com princípios que incluem os elementos da natureza”, explica a nutricionista. Assim como a dieta vegana, é filosofia de vida. Há várias formas de adotá-la, de acordo com os objetivos da pessoa.

Segundo Ana, a macrobiótica não é necessariamente vegetariana. Alguns adeptos incluem certos tipos de carne. Mas o mais comum é excluir carnes, laticínios e ovos. Enfatiza o consumo de alimentos quase neutros, como alguns tipos de cereais integrais, legumes e leguminosas. Batata, berinjela, tomate e pimentão, por exemplo, ficam de fora.

“Esses alimentos são selecionados com base no Yin-Yang, no equilíbrio da natureza. O indivíduo come poucas frutas, como maçã cozida e melancia com sal, para obedecer os princípios”, explica.

Gostou deste post? Que tal compartilhar:
Últimos
Trend Tags
Array ( [0] => 76 [1] => 222 [2] => 237 [3] => 115 [4] => 17 [5] => 238 [6] => 92 [7] => 125 [8] => 173 [9] => 16 [10] => 276 [11] => 25 [12] => 157 [13] => 66 [14] => 67 [15] => 62 [16] => 153 [17] => 127 [18] => 12 [19] => 19 [20] => 187 [21] => 69 [22] => 154 [23] => 175 )
Vídeos
Copyright © 2016 Free the Essence