8 milhões de mortes seriam poupadas com dieta vegana
diega vegana no mundo
Foto: iStock/Getty Images
Sustentabilidade > Na Rua

8 milhões de mortes seriam evitadas se uma dieta vegana fosse adotada no mundo todo

Camila Luz em 9 de maio de 2016

Muito se discute sobre o impacto do veganismo no mundo. Estudo recente, publicado pela Universidade de Oxford, na Inglaterra, traz novos e grandes números sobre os impactos da adoção de uma dieta vegana. Segundo a pesquisa, se o regime fosse adotado por todos os cidadãos até 2050, 8 mihões de pessoas deixariam de morrer; a sociedade emitira dois terços a menos de gases poluentes; e US$ 1,4 trilhão por ano seria economizado.

A alimentação vegana consiste em uma filosofia e prática que evita qualquer produto de origem animal.

O estudo ainda analisou outras duas dietas: a primeira é a ovolactovegetariana, que dispensa o consumo de carne, mas ainda aceita alimentos derivados de ovos e leite. A segunda é a onívora saudável, que une o consumo de carne e de vegetal. Nesse caso, consome-se mais carnes brancas e magras e uma grande variedade de vegetais.

Os números contabilizados pela pesquisa mostram os impactos positivos causados pelas três dietas na saúde, economia e redução da emissão de gases poluentes. As três formas de alimentação foram comparadas à atual, que é onívora e baseada em um alto consumo de carne vermelha.

De acordo com o resultados, a dieta vegana seria a mais benéfica para a sociedade. Quanto menos mais carne, sempre melhor – em termos de economia, saúde e impacto ambiental.

Caso apenas a carne fosse retirada do cardápio, mais de 51% das mortes seriam evitadas. Além disso, caso as pessoas passassem a ingerir mais frutas e vegetais, pelo menos 24% vidas seriam poupadas.

Isso acontece porque dietas baseadas em carne levam muito sal. O consumo de sal em excesso pode causar aumento da pressão arterial, problemas cardiovasculares e nos rins. Por outro lado, alimentações vegetarianas e veganas levam mais grãos integrais e castanhas, alimentos relacionados a melhores indíces de saúde. Juntas, as mudanças diminuiriam a incidência de doenças coronárias (coração), diabetes, derrames e câncer.

Segundo a pesquisa, os distúribios relacionados à dieta atual foram responsáveis por 40% das mortes globais em 2010.

Já a economia seria beneficiada pela redução dos gastos com a saúde. Os governos gastariam menos com assistência, enquanto a população, saudável, teria mais tempo disponível para produzir e fazer a economia girar.

Veja os resultados da pesquisa no infográfico abaixo:

 

Gostou deste post? Que tal compartilhar:
Últimos
Trend Tags
Array ( [0] => 76 [1] => 222 [2] => 237 [3] => 115 [4] => 17 [5] => 238 [6] => 92 [7] => 125 [8] => 173 [9] => 16 [10] => 276 [11] => 157 [12] => 25 [13] => 66 [14] => 67 [15] => 62 [16] => 153 [17] => 127 [18] => 12 [19] => 19 [20] => 187 [21] => 69 [22] => 154 [23] => 172 )
Vídeos
Copyright © 2016 Free the Essence