Artista cria projeções na Amazônia contra o desmatamento
amazonia7
Foto: Reprodução
Sustentabilidade > Na Rua

Artista cria projeções na Amazônia contra o desmatamento

Kaluan Bernardo em 20 de novembro de 2016

O artista francês  Philippe Echarouxencontrou  uma forma um tanto criativa de chamar a atenção para o desmatamento na Amazônia. Sem precisar de tintas ou de muitos materiais, ele usa apenas projeções para criar o que chama de Street Art 2.0 (Arte de Rua 2.0).

Ele projeta rostos de indígenas nas árvores para mostrar a conexão dos indígenas com a mata. A ideia é lembrar o quanto a destruição daquele local afeta a vida dos nativos. Os rostos projetados são fotografias da tribo Suruí.

No vídeo abaixo ele conta um pouco da ideia, mostra seu trabalho e a sua relação com os índios. O trabalho foi todo feito em parceria com Almir Surui Narayamoga, chefe da tribo, “Quando entrei em contato com a tribo Suruí queria mostrar uma coisa: que quando você corta uma árvore é como se estivesse matando um homem. E nós vemos essa conexão entre pessoas e a floresta. É realmente evidente “, explica Philippe no vídeo.

As fotos estão sendo exibidas na exposição “The Crying Forest” (A floresta que chora), na Galerie Taglialatella, em Paris, desde 11 de novembro. Ficarão lá até diz 15 de dezembro. Veja mais fotos abaixo:

amazonia1

Foto: Reprodução

amazonia2

Foto: Reprodução

amazonia3

Foto: Reprodução

amazonia4

Foto: Reprodução

amazonia6

Foto: Reprodução

amazonia7

Foto: Reprodução

amazonia8

Foto: Reprodução

No Instagram de Philippe Echaroux é possível encontrar ainda fotos dos bastidores de seus trabalhos e outras tantas que ele tira. Mais do que ter boas ideias, como projetar rostos indígenas em árvores, o cara é realmente bom em capturar rostos e paisagens. Dá uma olhada no tipo de foto que você encontra na rede social dele:

 

Quanto custa estancar o desmatamento no Brasil

É possível estancar o desmatamento no Brasil. O custo seria de, aproximadamente, R$ 10,2 bilhões ao ano durante 15 anos, quando chegaríamos no ponto zero. Mas os ganhos seriam muito maiores:  evitariam-se 5,6 bilhões de toneladas de gás carbônico na atmosfera, além de  trazer benefícios para a biodiversidade, a agricultura e para o uso da água no país. Os números são de um estudo feito para o Ministério do Meio Ambiente e que você pode conhecer melhor aqui.

Gostou deste post? Que tal compartilhar:
Últimos
Trend Tags
Array ( [0] => 76 [1] => 222 [2] => 237 [3] => 115 [4] => 17 [5] => 238 [6] => 92 [7] => 125 [8] => 173 [9] => 16 [10] => 276 [11] => 25 [12] => 157 [13] => 66 [14] => 67 [15] => 62 [16] => 153 [17] => 127 [18] => 12 [19] => 19 [20] => 187 [21] => 69 [22] => 154 [23] => 175 )
Vídeos
Copyright © 2016 Free the Essence