Indiano ensina a plantar floresta densa em espaço reduzido
Pequenas Florestas
Foto: Istock/Getty Images
Sustentabilidade > Na Rua

Indiano ensina a plantar floresta densa em espaço reduzido

Camila Luz em 17 de maio de 2016

O indiano Shubhendu Sharma é engenheiro industrial e trabalhava na Toyota quando conheceu o botânico Akira Miyawaki. Inspirado pelas técnicas de restauração ambiental do japonês, mudou seu foco: em vez de produzir veículos, passou a plantar árvores. Hoje, consegue cultivar uma floresta densa, com 300 plantas, em um espaço que poderia ser ocupado por seis carros.

Akira é especializado na restauração de florestas nativas. Usa sementes da vegetação original, que se adaptam bem ao solo. Escolhe espécies variadas e, diferente do reflorestamento tradicional, deixa pouco espaço entre as plantas. De acordo com seu colega Shubhendu, esse método garante crescimento 10 vezes mais rápido, uma mata 30 vezes mais densa e 100 vezes mais biodiversidade, quando comparado à plantações convencionais.

Veja a palestra do indiano no TED, com legendas em inglês disponíveis:

O encontro entre o indiano e o japonês ocorreu quando Akira foi contratado pela Toyota para plantar uma floresta na fábrica, tornando-a neutra em carbono. Shubhendu se interessou tanto pela técnica que se voluntariou para trabalhar no projeto. O primeiro lugar onde cultivou a mata foi no jardim de sua própria casa.

Ele notou que, após cultivar a floresta em seu quintal, o solo não ressecou durante o verão, o número de espécies de pássaros na área dobrou, a qualidade do ar melhorou e começaram a surgir frutas diferentes em cada estação do ano.

Consultoria de florestas

Impressionado com os resultados obtidos pela floresta plantada em seu jardim, Shubhendu resolveu aprimorar o método. Seu objetivo era encontrar meios de desenvolver matas com a mesma seriedade com que profissionais fabricam carros, desenvolvem softwares ou criam qualquer outro tipo de produto mainstream.

Criou então uma empresa, a Afforestt, para prestar consultoria à fábricas, escolas e indivíduos que desejem ter as florestas em suas residências. Além disso, disponibiliza todas as informações online, para que pessoas de qualquer lugar do mundo possam cultivar a mata sem a presença física do indiano.

muda de plantas juntas

Foto:Reprodução/Facebook

Como cultivar a floresta de Shubhendu

Várias espécies nativas diferentes são plantadas uma ao lado da outra. Árvores crescem e usam o espaço vertical. Dessa forma, não é necessário possuir uma área muito extensa para cultivar.

De acordo com Shubhendu, em oito meses, a mata fica tão densa que uma única pessoa não consegue transitar dentro dela. Os raios de sol já não atingem o chão. A partir daí, o pequeno espaço já é autossustentável. As folhas que caem são adubos naturais e as gotas de chuva permanecem por mais tempo no solo. Mesmo assim, é preciso regá-la por dois anos, até que o ecossistema esteja estabelecido.

pessoas plantando juntas e criança tirando foto

Foto: Reprodução/Facebook

Para reduzir os custos e a própria emissão de carbono, o indiano passou a usar biomassa obtida localmente. Essa é a única fonte extra de fertilização do solo. Utiliza, por exemplo, casca de coco misturada com palha de arroz, ou estrume orgânico misturado com pó de casca de arroz.

Uma vez plantada a floresta, grama ou palha de arroz cobrem o solo. Assim, a água usada para a irrigação não evapora e retorna para a atmosfera. O indiano afirma que, por meio desses simples improvisos, é possível cultivar uma floresta por um custo mais baixo do que o de adquirir um iPhone.

Enquanto isso, no Brasil…

 O botânico Ricardo Cardim está plantando florestas urbanas em terrenos de apenas 15m². Ele utiliza uma técnica parecida com a de Akira: usa mudas da vegetação nativa. No caso de São Paulo, é a Mata Atlântica. Diferente do reflorestamento tradicional, ele também planta com pouco espaço entre as sementes, dando origem a uma mata densa e diversificada.

O projeto se chama “Florestas de Bolso” e, segundo Ricardo, gera 12 vezes mais árvores do que o reflorestamento no mesmo espaço de tempo. Além disso, ter mais espécies nativas significa atrair animais que antes ocupavam a região. A biodiversidade é estimulada.

Para entender melhor como funcionam as Florestas de Bolsa e quais suas vantagens, veja a matéria feita pelo Free the Essence.

Gostou deste post? Que tal compartilhar:
Últimos
Trend Tags
Array ( [0] => 76 [1] => 222 [2] => 237 [3] => 115 [4] => 17 [5] => 238 [6] => 92 [7] => 125 [8] => 173 [9] => 16 [10] => 276 [11] => 157 [12] => 25 [13] => 66 [14] => 67 [15] => 62 [16] => 153 [17] => 127 [18] => 12 [19] => 19 [20] => 187 [21] => 69 [22] => 154 [23] => 172 )
Vídeos
Copyright © 2016 Free the Essence