Esportes aquáticos radicais para praticar além do surf
Kitesurf_esportes aquaticos
Foto: Istock/Getty Images
Unplug > Corpo e Mente

Esportes aquáticos e radicais para ir muito além do surf

Camila Luz em 15 de setembro de 2016

Praticar esportes aquáticos em rios e mares pode ser forma de relaxar, exercitar o corpo como um todo e ainda experimentar altas doses de adrenalina. A lista de modalidades é extensa e muito se engana quem pensa que dentro da água só o surf é desafiador.

Esportes aquáticos radicais permitem ao atleta experimentar velocidade, altura, manobras e alto grau de risco físico. Por isso, é preciso tomar cuidado: um movimento errado, optar por equipamentos de má qualidade ou ignorar a necessidade de um instrutor profissional podem causar lesões sérias ou até ser fatal. Precauções tomadas, é hora de conhecer as opções de esportes aquáticos radicais e escolher a que mais se encaixa no seu estilo.

Esportes aquáticos com aventura

Canoagem

mulher e homem praticando canoagem

Foto: Istock/Getty Images

A canoagem nasceu da necessidade do homem de se deslocar e foi se aperfeiçoando com o tempo. As primeiras canoas para deslocamento foram criadas por povos nativos da América do Norte há milhares de anos.  Em 1936, se tornou um esporte olímpico. Hoje, existem várias modalidades, como freestyle, canoagem oceânica e maratonas. É possível praticar em corredeiras, em ondas oceânicas ou em águas calmas: tudo depende do nível de adrenalina que você quer vivenciar.

Para praticar, é preciso escolher o tipo correto de embarcação para cada modalidade e ter o resto do equipamento: remo, colete, capacete e saia contra respingos (equipamento que bloqueia a a boca do caiaque para não entrar respingos).

Vela

Praticar vela significa usar barcos movidos apenas por propulsão à vela. Ou seja, apenas a força do vento é empregada no deslocamento. A embarcação é prática e de fácil condução e, por isso, foi muito utilizada para viagens curtas na Holanda, durante o século 17.

Na década seguinte, começaram a surgir clubes de vela na Europa. A prática começou a ser tornar uma atividade de lazer e, em 1900, tornou-se um esporte olímpico. A vela também um um hobby e pode ser usada para fazer longas viagens, com o velejador vivendo dentro do barco.

Remo

O remo também é um esporte olímpico desde 1900. O barco a remo é um meio de transporte utilizado pelo homem desde a Idade Antiga. Faraós, no Egito, já disputavam corridas usando as embarcações.

homem praticando remo

Foto: Istock/Getty Images

No entanto, só se tornou um esporte profissional no século 19, quando foi fundado o clube inglês Leander Club. A modalidade se popularizou quando as universidades de Cambridge e Oxford disputaram uma regata no rio Tâmisa em 1829.

O remo é um bom esporte para desenvolver os músculos sem prejudicar as articulações, já que não envolve impacto. É bastante recomendado para quem precisa se recuperar de lesões, por exemplo. Além disso, pode ser uma boa forma de aprender a trabalhar em equipe, já que para mover o barco é preciso ter pelo menos duas pessoas dentro dele.

Cada atleta tem sua função. Quem fica mais perto da proa, por exemplo, controla o equilíbrio. Os do centro são os mais fortes, enquanto quem fica na frente controla o ritmo da remada.

Windsurf

O windsurf é parecido com o surf, mas além da prancha, utiliza-se uma vela com altura de dois a cinco metros. A força dos ventos bate na vela e empurra o praticante, que desliza sobre as ondas e realiza manobras, dando giros de 180 graus ou completos de 360 graus.

É recente: nasceu na Califórnia nos anos 1970. É um esporte olímpico dividido em várias categorias, como freestyle (manobras radicais) e fórmula (regatas). É possível praticar de forma tranquila, velejando em dias parados, ou radical, em dias de ventos e ondas fortes.

Kitesurf

mulher praticando kitesurf

Foto: Istock/Getty Images

Voar sobre a água puxado por uma pipa: é nisso que consiste o kitesurf. É uma mistura de vários esportes, como surf, windsurf e esqui, e une melhores momentos de todos eles: é possível velejar com ventos mais fracos do que no windsurf, saltar em lagos e rios sem ondas e saltar mais alto do que no wakeboard (esporte de prancha em que o atleta é puxado por uma lancha).

A prancha utilizada no kitesurf é menor do que a de surf e o kite (pipa) funciona como uma asa impulsionada pelo vento. É um esporte que pode ser perigoso e é preciso fazer um curso com um instrutor profissional. Sem noção mínima de direção do vento e força, praticar pode ser um risco.

Leia mais:
O surf também é das mulheres: conheça a Longarina, seu conteúdo e suas trips
Surf no rio Einsbach por Diego Cagnato
Esportes que você pode praticar na praia com seu Drinkfinity

Esqui aquático

Para praticar esqui aquático, é preciso estar em dupla: uma pessoa dirige a lancha enquanto outra esquia na água, puxado por uma longa corda de 18 metros de comprimento. O principal desafio é manter o equilíbrio a partir de uma velocidade de 30km/h, que pode chegar a até 80km/h.

Wakeboard

O wakeboard é considerado uma evolução mais radical do esqui aquático. A diferença entre os dois é que no primeiro o atleta usa uma prancha, enquanto no segundo usa um esqui.

No wakeboard, o atleta é puxado por uma lancha enquanto realiza manobras e movimentos derivados do surf e do snowboard. Quem opta por fazer esse esporte em detrimento do esqui aquático o faz pela possibilidade de fazer mais manobras e saltos mais desafiadores.

Surf: longboard, shortboard e funboard

Dentre os esportes aquáticos radicais, o surf é o mais conhecido e procurado. Mas há diferentes maneiras de praticar, que variam de acordo com a prancha utilizada. Longboards, que geralmente medem cerca de 9 pés (aproximadamente 2,7 metros de altura), são boas opções para quem ainda precisa aprender a ganhar estabilidade no mar. Com elas, é mais fácil de entrar na onda e de se manter em equilíbrio.

As longboards permitem um tipo de surf mais suave e lento. Quem quer mais velocidade e muitas manobras deve optar por uma shortboard, que mede cerca de 1,8 metros de altura. São utilizadas em competições de surf moderno, pois permitem aéreos, tubos e rasgados.

Há, ainda, a opção intermediária: as funboards, que são maiores e mais largas do que as pranchinhas (shortboards), medindo entre 2,1 e 2,4 metros de altura. São boas para correr as ondas com manobras potentes e são bastantes versáteis.

Gostou deste post? Que tal compartilhar:
Últimos
Trend Tags
Array ( [0] => 76 [1] => 222 [2] => 237 [3] => 115 [4] => 17 [5] => 238 [6] => 92 [7] => 125 [8] => 173 [9] => 16 [10] => 276 [11] => 25 [12] => 157 [13] => 66 [14] => 67 [15] => 62 [16] => 153 [17] => 127 [18] => 12 [19] => 19 [20] => 187 [21] => 69 [22] => 154 [23] => 175 )
Vídeos
Copyright © 2016 Free the Essence