Quer ler mais rápido e melhor? Veja como e por quê
ler mais_2
Foto: Istock/Getty Images
Unplug > Corpo e Mente

Como e por que você deveria ler muito mais

Kaluan Bernardo em 19 de fevereiro de 2017

A ode à leitura é, provavelmente, quase tão antiga quanto a palavra em si. Alguns dos maiores pensadores que passaram pelo planeta já homenagearam os livros e falaram de sua importância. Galileu disse que era uma forma de superpoder; Carl Sagan que era uma prova de que os seres humanos são capazes de fazer mágica; Neil Gaiman que os livros são a forma de cumprirmos nossa “obrigação de sonhar”.

Os livros são importantes. E ler faz bem. Os escritores dizem isso, mas não apenas eles, os grandes empreendedores, pensadores e filósofos também. E, claro, a ciência comprova.

ler mais

Foto: Istock/Getty Images

Apesar da reiterada importância, 44% da população brasileira não lê. Ao todo, 30% nunca sequer comprou um livro. A média de livros que um brasileiro lê ao longo do ano é de apenas 4,96 livros, como indica a pesquisa Retratos da Leitura no Brasil. Desses, 0,96 livros foram indicados pela escola; 2,53 foram lidos em partes; e apenas 2,43 foram terminados.

Se for o seu caso, você pode pensar que você colabora com essa estatística porque não tem tempo. Pense de novo. Há muitas coisas que você faz ao longo do dia e que poderiam ser substituídas por um pouco de leitura, não? Um cálculo informal, por exemplo, mostra que um estadunidense médio conseguiria ler 200 livros ao ano apenas se ele saísse das redes sociais. Sim, 200 livros só com o tempo no Facebook, YouTube, WhatsApp etc.

É claro que a teoria é uma coisa e a prática é outra. Criar um hábito de leitura exige esforço, inspiração, vontade e dedicação. E é por isso mesmo que nós, que queremos te ajudar nessa missão, criamos esse pequeno guia para te mostrar, afinal de contas, quais são os comprovados benefícios da leitura; por que grandes personalidades os defendem; e como você pode começar a ler mais a partir de agora. Vamos lá?

Quais são os benefícios comprovados da leitura

As recorrentes recomendações para ler um livro ou mesmo a imagem de que quem lê muito é mais inteligente não existem ao acaso. De fato, ler mais livros faz bem para sua saúde mental, para seu corpo e para sua vida como um todo.

Há tempos cientistas estudam os benefícios da leitura e chegaram a conclusões das mais diversas. Alguns ainda focam em pesquisar as diferenças entre ler um livro digital e um físico, mas essa discussão deixaremos de lado. O importante aqui é mostrar o que você ganha lendo, seja como for:

Ler ajuda na conectividade do cérebro

Pesquisadores da Emory University pesquisaram quais são os efeitos de curto e longo prazo no cérebro. Eles pediram para que os voluntários lessem “Pompeia”, de Robert Harris, e analisaram imagens feitas por ressonância magnética do cérebro dos indivíduos por nove dias enquanto eles avançavam na leitura. Perceberam então que havia uma maior conectividade no lado do córtex temporal esquerdo, uma área do cérebro associada à receptividade para a linguagem.

O interessante é que mesmo quando eles não estavam lendo a área continuava ativa. Os pesquisadores dizem que, como a região também é associada às sensações motoras, é possível que a leitura nos faça sentir dentro do corpo dos personagens da obra.

Outra pesquisa, publicada no jornal Neurology, foi feita com 294 pacientes que faleceram, em média, aos 89 anos. O estudo revelou que os que mais liam tinham 32% mais chances de preservar melhor sua memória em relação à média. Já os que liam pouco ou quase nada tendiam a perder a memória 48% mais rápido que a média.

Ler ajuda a evitar o Alzheimer

A leitura não só ajuda a melhorar a memória, como também evita doenças cognitivas. Pesquisa publicada em 2002 mostra que adultos que se envolvem com hobbies que exijem esforços cognitivos, como quebra-cabeças e leituras, reduzem os riscos de Alzheimer.

Ler ajuda a dormir melhor

Se você tem o hábito de ler um pouco antes de dormir, saiba que está no caminho certo. Diversos experts recomendam livros para melhorar a qualidade do sono. O livro é, no mínimo, uma boa alternativa à luz branca de dispositivos eletrônicos que fazem com que seu cérebro fique mais desperto.

Ler um bom livro te torna mais empático

Pesquisa publicada na revista Plos One indica que se você se envolver bastante com uma ficção poderá tornar-se mais empático. Eles pediram para que leitores lessem Arthur Conan Doyle (autor de Sherlock Holmes) e José Saramago (autor de Ensaio Sobre a Cegueira, O Homem Duplicado, entre outros). Eles perceberam que os leitores que se sentiam mais envolvidos com as obras tendiam a demonstrar sinais mais intensos de empatia, enquanto os que se envolviam menos também se tornavam menos empáticos em suas vidas.

LEIA MAIS
15 dicas de livros por grandes nomes da tecnologia
LEIA MAIS
5 booktubers para você conhecer e se apaixonar por livros

Ler ajuda a relaxar

Você provavelmente não precisava de um especialista para saber disso. Mas uma pesquisa de 2009 conduzida na University of Sussex provou: ler é uma das formas mais efetivas para combater o estresse, vencendo até mesmo atividades como ouvir música, tomar um chá ou café ou sair para andar.

O que grandes personalidades dizem sobre livros

Poucos dias antes de sair da Casa Branca, Barack Obama concedeu entrevista ao jornal The New York Times para falar sobre um assunto muito específico: livros. Na conversa, ele diz, por exemplo, que ficção científica foi útil para ele ter momentos de escape no meio do estresse.

Ele diz que se apaixonou por livros quando, ainda criança, viajava muito e podia carregar as histórias consigo. “A ideia de ter esses mundos que eram portáveis, que eram seus, e que você podia entrar dentro, eram fortes para mim”, comenta. Durante seus dias na presidência, ele diz que os livros o ajudaram a ver as coisas de outro ângulo.

Em uma época em que as coisas acontecem mais rapidamente e tanta informação é transmitida, a habilidade de parar um pouco e ter perspectiva, junto com a habilidade de se colocar no lugar de outro alguém – essas duas possibilidades são muito valiosas para mim. Se isso me fez um melhor presidente eu não sei. Mas posso dizer que me ajudaram a, de certa forma, manter meu equilíbrio durante esses oito anos.

Outra personalidade que conseguiu defender os livros de forma inspiradora foi Neil Gaiman, um dos maiores escritores vivos. Em um comovente discurso chamado “Por que nosso futuro depende de bibliotecas, leituras e sonhos”, ele defende a importância de ler – seja o que for.

Para ele, a ficção é a droga de entrada para leituras mais complexas. E a leitura, no geral, nos ajuda a desenvolver empatia (algo que, como já vimos, foi cientificamente provado). “Quando você vê TV ou assiste a um filme, você está olhando para as coisas acontecendo com outras pessoas”, diz. Já, quando lê “você, e você sozinho, usando sua imaginação, cria um mundo e pessoas nele para então olhar por outros olhos. Você se obriga a sentir coisas, visitar lugares e mundos que não poderia conhecer de outra forma. Você aprende que todo mundo lá é um eu. Você está sendo outro alguém, então quando você volta para o seu mundo, você estará um pouco mudado”, diz.

ler mais

Foto: Istock/Getty Images

Quando você lê, defende ele, pode ver a realidade de forma mais crítica. Percebe que o mundo não precisa ser assim e que as coisas podem ser diferentes. É por isso que temos uma obrigação de apoiar as bibliotecas. “Temos que usar as bibliotecas, temos que encorajar os outros a usarem bibliotecas, a protestarem contra o fechamento das bibliotecas. Se você não valoriza as bibliotecas, então não valoriza a informação ou a cultura ou o conhecimento. Você está silenciando as vozes do passado e danificando o futuro”, defende.

Warren Buffet, um dos homens mais ricos do mundo, certa vez disse: “leia 500 páginas como essa todos os dias. É assim que o conhecimento funciona, como interesse composto. Todos vocês podem fazer isso, mas eu garanto que a maioria não irá”.

De fato, ele consegue ler entre 600 e 1.000 páginas por dia. E diz que devota 80% do seu dia à leitura. Ele não está sozinho no meio de empreendedores e bilionários que reconhecem a importância dos livros. Bill Gates tenta ler um por semana, e sempre faz suas indicações; Mark Cuban lê mais de três horas por dia; Elon Musk diz que livros são essenciais para conseguir construir foguetes; Mark Zuckerberg criou um clube de leitura.

Como criar um hábito de leitura

A essa altura do campeonato esperamos que você já esteja convencido de que ler é importante. A questão é se é possível ler muito. E a resposta é que sim, é possível para muitos, provavelmente para você também.

Como em diversas situações, a questão é como criar hábito. Charles Chu, autor no site Quartz, diz que conseguiu desenvolver o hábito de leitura. Eis os conselhos dele para conseguir:

1) Não desista antes de começar – por mais ambiciosa que seja sua meta;

2) Saia das redes sociais e da televisão, você verá como há tempo de sobra para ler;

3) Crie um ambiente sem distrações para ler;

4) Leia em diversos meios.

Outro que deu boas dicas de como ler mais foi l empreendedor Julien Smith, CEO da startup Breather, que escreveu um texto no site Huffington Post dando boas dicas para atingir a meta de um livro por semana. Suas dicas são:

1) Defina metas claras de quanto você quer ler cada dia;

2) Crie uma rotina de leitura e siga-a à risca;

3) Leia no banheiro, na fila do banco, no ônibus, em qualquer lugar que puder;

4) Escolha bem seus livros, mas se estiver começado com algum ruim, tudo bem trocar;

5) Não fique devendo livros e acumulando promessas para si. Se você não ler um essa semana, não adianta pensar que na próxima lerá dois.

Gostou deste post? Que tal compartilhar:
Últimos
Trend Tags
Array ( [0] => 76 [1] => 237 [2] => 205 [3] => 97 [4] => 222 [5] => 62 [6] => 157 [7] => 276 [8] => 12 [9] => 249 [10] => 86 [11] => 94 [12] => 267 [13] => 68 [14] => 16 [15] => 115 [16] => 186 [17] => 17 [18] => 102 [19] => 173 [20] => 175 [21] => 238 [22] => 92 [23] => 236 [24] => 79 )
Vídeos
Copyright © 2016 Free the Essence