Viver perto do mar pode fazer bem para a saúde mental
saude-mental
Foto: Istock/Getty Images
Unplug > Corpo e Mente

Viver perto do mar pode fazer bem para a saúde mental

Camila Luz em 10 de julho de 2016

Viver perto do mar pode fazer bem para a saúde mental, diz um estudo publicado no jornal Health & Place. Estar em contato com a natureza beneficia corpo e mente e isso não é surpresa, já que é o habitat natural do homem. A nova pesquisa, no entanto, diz que regiões próximas do oceano são ainda mais saudáveis do que locais cercados por bosques e parques.

A pesquisa foi feita por cientistas da University of Canterbury (Nova Zelândia) e da Michigan State University (Estados Unidos). Coletou dados topográficos  e os comparou com informações sobre transtornos de ansiedade e humor colhidos na Nova Zelândia. Também considerou os fatores idade e sexo.

Com mais pessoas morando em cidades, pesquisadores querem saber quais espaços urbanos possuem as características mais benéficas para os habitantes. Segundo o estudo, há uma relação positiva entre pessoas que têm vista para o oceano e saúde mental. Elas foram consideradas menos estressadas, menos ansiosas e mais equilibradas.

Espaços Azuis X Espaços Verdes

Os pesquisadores compararam pessoas que moram perto de espaços verdes (parques e florestas) com aquelas que estão perto de espaços azuis (praias e oceanos). A pesquisa foi feita na capital da Nova Zelândia, Wellington. Apesar de ser uma cidade bastante urbanizada, está situado ao lado do Mar da Tasmânia e do Oceano Pacífico.

via GIPHY

Eles descobriram que espaços verdes e azuis não têm o mesmo efeito. Segundo a revista IFL Science, um dos autores do estudo afirmou que locais próximos a oceanos parecem ser mais naturais e podem ser mais vantajosos. “O espaço verde inclui áreas criadas pelo homem, tais como campos desportivos e parques infantis, além das áreas de florestas nativas”, explica. “Se olhássemos apenas para as florestas nativas, talvez os resultados fossem diferentes”, pondera.

Para entender melhor essa diferença, os pesquisadores pretendem fazer estudos similares em áreas que abrigam outros tipos de grandes massas de água, como os Grandes Lagos, na América do Norte. Acreditam que uma compreensão mais abrangente do efeito do meio ambiente sobre a saúde poderia ajudar a orientar o planejamento mais eficaz das cidades.

Estar em contato com a natureza é importante para a saúde mental

Outro estudo, publicado na revista estadunidense Proceedings of the National Academy os Sciences, sugere que passar tempo em contato com a natureza diminui a incidência de pensamentos obsessivos e negativos.

De acordo com a pesquisa, mais de 50% das pessoas vivem em áreas urbanas hoje. Até 2050, essa proporção será de 70%. Acredita-se que altos níveis de doenças mentais podem estar associados à urbanização. Por isso, os pesquisadores da University of Stanford (Estados Unidos) investigaram se o contato com a natureza tem influência na melhora da saúde.

Participantes do estudo que fizeram caminhas de 90 minutos por ambientes naturais revelaram ter menos pensamentos negativos. Também mostraram uma redução da atividade neural na área do cérebro ligada ao risco do desenvolvimento de doenças mentais. Aqueles que caminharam por locais urbanizados mostraram níveis mais elevados.

Os resultados sugerem que ter acesso a áreas naturais pode ser vital para a saúde mental em tempos de urbanização rápida e intensa.

via GIPHY

Leia mais:
Dicas simples e práticas para adotar uma rotina saudável
Hotéis offline de luxo mostram o lado bom e viver desplugado
Refúgios aquáticos: onde praticar Stand Up Paddle em São Paulo

Outro estudo conduzido pelos psicólogos Ruth Ann Atchley e David L. Strayer descobriu que a criatividade para resolver problemas pode ser aprimorada quando pessoas se desconectam da tecnologia e se reconectam à natureza. Segundo o site Collective Evolution, os participantes da pesquisa fizeram um mochilão por ambientes naturais por quatro dias. Durante esse período, não usufruíram de aparelhos tecnológicos.

Depois, precisaram resolver tarefes que requeriam pensamento criativo. A capacidade dessas pessoas foi 50% superior à de indivíduos que passaram os mesmos quatro dias na cidade, fazendo uso da tecnologia.

Bote os pés na terra

O Collective Evolution diz que há inúmeros estudos que provam que colocar os pés descalços na terra faz bem à saúde. A lógica por trás dessa prática se relaciona com a carga negativa intensa vinda do planeta. Essa carga é rica em elétrons e deve servir como uma boa fonte de antioxidantes, que destroem os radicais livres.

James Oschman, especialista em medicina energética e PhD em biologia pela University os Pittsburgh (Estados Unidos),  diz que muitas pessoas relutam em caminhar descalço em ambientes naturais, a não ser que estejam de férias no campo ou na praia. Mas não deviam. “Relatórios subjetivos que dizem que andar descalço na terra melhora a saúde e proporciona sensação de bem-estar podem ser encontrados na literatura e em práticas culturais de diversos povos no mundo todo”, defende.

Os efeitos dessa prática podem ser muitos, como reduzir a incidência de doenças degenerativas crônicas, como diz este estudo. Outra pesquisa sugere que andar descalço na terra pode regular o sistema endócrino e o sistema nervoso.

Já tirou os sapatos hoje?

Gostou deste post? Que tal compartilhar:
Últimos
Trend Tags
Array ( [0] => 76 [1] => 222 [2] => 237 [3] => 115 [4] => 17 [5] => 238 [6] => 92 [7] => 125 [8] => 173 [9] => 16 [10] => 276 [11] => 25 [12] => 157 [13] => 66 [14] => 67 [15] => 62 [16] => 153 [17] => 127 [18] => 12 [19] => 19 [20] => 187 [21] => 69 [22] => 154 [23] => 175 )
Vídeos
Copyright © 2016 Free the Essence