Dieta com restrição de calorias faz viver mais, mas vale a pena?
Salada
Foto: iStock/GettyImages
Unplug > Corpo e Mente

Dieta com restrição de calorias faz viver mais, mas vale a pena?

Kaluan Bernardo em 17 de fevereiro de 2017

A ideia de que restringir calorias ajuda a viver mais não é exatamente nova. Testes em laboratórios já têm demonstrado esses resultados em ratos e nematódeos há um tempo. Mas novas pesquisas parecem confirmar que a regra também vale para humanos.

Pesquisadores da University of Wisconsin-Madison e do National Institute of Aging, dos EUA, publicaram uma pesquisa na revista Nature Communications e contam que fizeram testes com macacos e tiveram resultados bons.

Os primatas envelhecem de forma parecida com os humanos e, por isso, o estudo é particularmente importante por indicar que “os mecanismos de restrição de calorias possivelmente se aplicam na saúde humana”.

A pesquisa descreve o caso de um macaco que começou uma dieta de restrição de calorias de 30% quando tinham 16 anos – o que é o final da meia idade para ele. O animal agora está com 43 anos, o que é um recorde para a espécie. Se fôssemos transportar para a perspectiva humana é como se ele tivesse 130 anos.

Dieta de restrição calórica na prática

Outro estudo, publicado na revista Science Translational Medicine, por Valter Longo, da University of Southern California, conhecido pesquisador do tema, sugere que é possível estender a expectativa de vida sem precisar passar fome pela vida toda.

Ele defende que essa aproximação é mais saudável do que levar uma dieta restrita pela vida toda, que pode levar a outros problemas, como a anorexia. Em seus estudos, 100% das dietas eram baseadas em sopas vegetais, plantas, barras de energia, bebidas enérgicas e suplementos vitamínicos.

Ainda assim, mesmo o formato de dieta de cinco dias por mês era intenso para algumas pessoas. Ao todo, 25% dos pacientes desistiam dos testes. Mas para os que persistiram, após três meses, os bons resultados chegaram: emagrecimento, melhores níveis de glicose, triglicerídeos e colesterol.

A polêmica com a dieta da restrição calórica

Ele propõe uma falsa dieta, praticada apenas cinco dias por mês durante três meses e repetida de tempos e tempos. Segundo ele, ela é segura, viável e efetiva em reduzir fatores de risco para o envelhecimento e relações relacionadas ao envelhecimento”.

Mas nem todos concordam. É o caso de Leslie Robert, bioquímica e física na University of Paris. Em entrevista ao site da Scientific American, ela defende que remédios podem oferecer mais proteção do que as “ineficientes e aparentemente danosas” dietas.

Luigi Fontana, da Washington University School of Medicine, é um pouco mais moderado. À revista ele diz que é melhor “você seguir uma dieta saudável, se exercitar, fazer tudo que tem direito sem fazer nada extremo, sem tornar sua vida miserável contando cada caloria”.

Mesmo os pesquisadores do estudo na Wisconsin University concordam. “A vida já é difícil o suficiente sem entrar em dietas loucas. Nós estudamos isso como um paradigma para entender o envelhecimento. Não recomendamos ninguém fazer”, diz.

A questão é que enquanto a medicina tradicional olha para uma patologia de cada vez, os estudos começam a demonstrar que tudo pode estar conectado a fatores únicos, como a quantidade de comida que ingerimos e o que comemos.

Gostou deste post? Que tal compartilhar:
Últimos
Trend Tags
Array ( [0] => 76 [1] => 237 [2] => 205 [3] => 97 [4] => 222 [5] => 62 [6] => 157 [7] => 276 [8] => 12 [9] => 249 [10] => 86 [11] => 94 [12] => 267 [13] => 68 [14] => 16 [15] => 115 [16] => 186 [17] => 17 [18] => 102 [19] => 173 [20] => 175 [21] => 238 [22] => 92 [23] => 236 [24] => 79 )
Vídeos
Copyright © 2016 Free the Essence