Exercícios de pilates em cima de uma prancha de SUP
Sup Pilates
Foto: Arquivo Pessoal Evellyn Souza
Unplug > Corpo e Mente

Exercícios de pilates praticados em cima de uma prancha: conheça o SUPilates

Camila Luz em 27 de abril de 2016

O pilates é uma das alternativas mais procuradas por quem quer melhorar a postura e definir o corpo sem ter que fazer musculação. Para fugir de vez das academias lotadas, há uma opção ainda mais relaxante: o SUPilates.

O Stand Up Paddle, conhecido como SUP, consiste em se equilibrar de pé em cima de uma prancha e remar. Quem pratica entra em contato com a natureza, se exercita e relaxa. Nos últimos dez anos, esse esporte se popularizou no mundo todo, dando origem a outras modalidades derivadas.

O SUPilates é uma dessas variações. Ela, literalmente, une as práticas do pilates, mas numa prancha de SUP – que é maior e mais estável que uma de surf. Por isso, é possível praticar os exercícios do pilates em cima dela.

Benefícios corporais do SUPilates

A série de exercícios do pilates exige concentração e obedece um ritmo respiratório. A modalidade é similar ao yoga, mas reforça abdômen, glúteos, coxas e braços. Ele desenvolve flexibilidade, força, postura, resistência muscular e equilíbrio.

Os exercícios são variados e trabalham o corpo todo. Por isso, é uma boa alternativa para quem deseja um treinamento mais funcional, que aprimore o condicionamento físico.

No SUPilates, tudo isso é potencializado. Segundo Evellyn Souza, instrutora de SUPilates, os exercícios em cima da prancha apresentam mais resultados porque a base é instável. “Há vento e ondulações. É preciso muita força e concentração”, explica.

Para permanecer estável, o praticante deve constantemente contrair os músculos estabilizadores da pelve e da coluna. A respiração deve ser coordenada com os movimentos.

A expiração acontece nos momentos de esforço, usando a musculatura profunda do abdômen, o assoalho pélvico e os músculos eretores da coluna. Por isso, o SUPilates trabalha, principalmente, a região central do corpo.

Quem pode praticar

A instrutora conta que nunca deu aula para pessoas sedentárias. No entanto, em águas calmas, como de represas ou lagos, deve ser possível. “Não é preciso saber fazer pilates ou SUP para treinar o SUPilates. Em águas calmas, é tranquilo. Meus alunos conseguem realizar os exercícios em cima da prancha sem cair”, diz.

Aula de Sup Pilates

Foto: Arquivo Pessoal Evellyn Souza

Em águas mais agitadas, a realidade pode ser outra. Nesse caso, as adversidades naturais exigem mais do atleta. É preciso ter o mínimo de condicionamento físico para praticar no mar.

Evellyn explica que os alunos são divididos em níveis. Os mais avançados conseguem fazer posições mais arriscadas, que exigem muita força e flexibilidade. Durante as aulas, os níveis são misturados e cada pessoa faz de acordo com sua capacidade.

“O SUPilates é diferente de tudo o que existe por aí”

Os iniciantes não devem ter medo de começar. A prática exige bastante do corpo e leva tempo para conseguir colocar os pés em cima da cabeça e flutuar com graça.

Para Evellyn, o principal atrativo do SUPilates é o fato de que não há nada parecido com ele. “As aulas acontecem na água e, por isso, são muito relaxantes. Os alunos precisam remar para chegar até o local do treino, por exemplo. É bem diferente de tudo o que o pessoal está acostumado”, opina.

Leia mais: Refúgios Aquáticos: Onde praticar Stand Up Paddle em São Paulo

A professora ministra aulas no Yacht Club Itaupu, em parceria com o Tempo Wind Clube. Os clubes ficam na represa de Guarapiranga, na zona sul de São Paulo.

O que você achou do SUPilates? Acha que é uma boa forma de relaxar na natureza e fazer exercícios na cidade? Dê a sua opinião.

Gostou deste post? Que tal compartilhar:
Últimos
Trend Tags
Array ( [0] => 76 [1] => 222 [2] => 237 [3] => 115 [4] => 17 [5] => 238 [6] => 92 [7] => 125 [8] => 173 [9] => 16 [10] => 276 [11] => 25 [12] => 157 [13] => 66 [14] => 67 [15] => 62 [16] => 153 [17] => 127 [18] => 12 [19] => 19 [20] => 187 [21] => 69 [22] => 154 [23] => 175 )
Vídeos
Copyright © 2016 Free the Essence