São Petersburgo, na Rússia, ganha inusitado Museu das Emoções
museu das emocoes
Foto: Divulgação
Unplug > Escapadas Urbanas

São Petersburgo, na Rússia, ganha inusitado Museu das Emoções

Emily Canto Nunes em 1 de julho de 2016

Em 2016, a metrópole mais ocidentalizada da Rússia, São Petersburgo, ficou um pouco mais parecida com a cidade símbolo do capitalismo, Nova York, nos Estados Unidos. Isso porque a segunda maior cidade russa ganhou um Museu das Emoções, iniciativa que lembra bastante o Museu dos Sentimentos, inaugurado em 2015 na Big Apple.

De acordo com o Moscow Times, o Museu das Emoções pretende desenvolver “a alfabetização emocional” dos visitantes ao provocar emoções intensas, sejam elas positivas ou negativas.  A novidade ocupa um prédio na rua Italianskaya, local anteriormente habitado pelo Consulado da Áustria.

O artista por trás do projeto, Alexey Sergienko, disse que todas as exposições no museu foram criadas para provocar tantas emoções humanas quanto possível. “Em uma hora, as pessoas serão capazes de se sentir mais humanos do que em toda a sua vida”, disse ele, segundo reportagem que cita a Gazeta.ru como fonte das informações. Recente, o museu foi propositalmente pouco divulgado segundo Alexey.

Leia mais:
Urban Nation será o primeiro museu de arte urbana do mundo
Conheça o Museu do Amanhã, o novo ponto turístico do Rio de Janeiro

Disse Alexey ao The Newspapers:

Eu já não gostava de desenhar apenas pela beleza. Pensei que não era suficiente. Neste museu passamos por sete quartos e sete corredores e, em cada um, uma emoção será evocada. Emoções geralmente precisam de muito mais atenção do que estamos acostumados a dar para arte. A tarefa do artista é dar um impulso, para que o ser humano encontre as emoções.

De acordo com o artista que também é curador, o lobby do museu conta com 24 câmeras para mostrar ao vivo o que está acontecendo no espaço. Depois de passar pelo primeiro corredor, o visitante encontra o quarto da violência e do ódio com instalações temáticas: alvos sangrando, espelho quebrado no canto e outros atributos de sentimentos como esses. “Quando estávamos preparando esta sala, consultamos até advogados. Algumas instalações tiveram que ser removidas, porque existiam fatos que nós não poderíamos mostrar. Quando você termina essa parte da exposição, ainda há um saco de pancadas suspenso”, conta ele.

Cada emoção tem um aroma correspondente, pairando nos quartos, e um som próprio. Na sala de horror, o visitante pode deitar em um caixão e pensar sobre a vida (ou a morte), sentar numa cadeira elétrica, vivenciar um pouco do que um prisioneiro passou em uma solitária em Solovki durante dez anos. Na sala da abominação, há seres míticos, baratas, vermes que comem uns aos outros e moscas que colocam suas larvas na cabeça podre de uma vaca. Mas não se preocupe, há emoções boas para sentir também: alegria, divertimento, inspiração. A sala da diversão, por exemplo, tem paredes amarelas, espelhos curvos e brinquedos de pelúcia.

Museu dos Sentimentos

Do outro lado do globo, em Nova York, EUA, está o recente Museu dos Sentimentos. Mais high tech que seu irmão russo, o espaço estadunidense reage às emoções e as transforma em arte, quase que literalmente. Com base em informações das redes sociais e de outros dados coletados em tempo real, o exterior do Museu dos Sentimentos muda de cor para refletir o espírito da cidade: Como Nova York está se sentindo? Eufórica, calma, otimista? É só passar pelo espaço localizado no número 230 da Vesey Street.

Cada exposição convida o visitante a ter uma interação emocional. Tocar, sentir, jogar, ouvir, imaginar e respirar são alguns dos sentimentos disponíveis para experimentação. Em uma das instalações é possível controlar um caleidoscópio pela emoção; em outra, flutuar pelo sentimento da calma em uma nuvem de lavanda. O site do Museu dos Sentimentos dá um gostinho do que é o espaço: usando seus dados biométricos é possível criar o que eles chamam de MoodLens, uma espécie de selfie emocional e, ao vivo, combiná-la com uma fragrância personalizada. Vale uma visita, não?

Gostou deste post? Que tal compartilhar:
Últimos
Trend Tags
Array ( [0] => 76 [1] => 222 [2] => 237 [3] => 115 [4] => 17 [5] => 238 [6] => 92 [7] => 125 [8] => 173 [9] => 16 [10] => 276 [11] => 25 [12] => 157 [13] => 66 [14] => 67 [15] => 62 [16] => 153 [17] => 127 [18] => 12 [19] => 19 [20] => 187 [21] => 69 [22] => 154 [23] => 175 )
Vídeos
Copyright © 2016 Free the Essence