Astrologia: é ciência? Como surgiu? As suas perguntas respondidas
astrologia
Foto: Istock/Getty Images
Unplug > Inspire-se

Astrologia: é ciência? Como surgiu? As suas perguntas respondidas

Pedro Katchborian em 12 de março de 2017

A astrologia é tema de debate entre amigos e familiares. Há os que acreditam, os que acham besteira e os indiferentes. Levando o assunto a sério ou não, é fato que a astrologia interessa a muita gente. Mas, afinal, a astrologia é uma ciência? Como ela funciona? Quem foi a mente por trás de analisar astros e personalidades das pessoas? Veja respostas para todas essas perguntas.

O que é a astrologia?

Não confunda com astronomia. Embora o significado seja parecido — o estudo dos corpos celestes –, na prática, a astronomia e astrologia são completamente diferentes. A primeira é considerada uma ciência e analisa estrelas, cometas, planetas e todo tipo de fenômeno que acontece no espaço.

Já a astrologia é considerada uma pseudociência, já que não há nenhuma comprovação científica da sua eficácia e nem cumprimento de um método científico. Segundo os astrólogos, as posições dos corpos celestes na hora do nascimento pode influenciar a vida e os eventos na Terra. Uma das principais diferenças é que os signos do zodíaco estão na Terra, não no céu. Logo, a maneira que astronomia e astrologia interpretam informações é completamente diferente.

Como e quando surgiu a astrologia?

Há milhares de anos, literalmente. Embora existam algumas pinturas rupestres que mostrem algumas atividades do ciclo lunar datadas de 25 mil anos atrás, o primeiro registro mais acurado da astrologia está na Tábua de Vênus de Amnisaduqa, um documento do reinado de Ammisaduqa, um rei babilônico que viveu no período de 1700 a.C — cerca de 3.700 anos atrás.

astrologia

Foto: Istock/Getty Images

Aliás, a astrologia babilônica foi o primeiro sistema organizado de astrologia. Foram achados vários documentos que misturavam astronomia e astrologia, com os documentos prevendo o clima e fatores políticos.

O Egito, em 500 a.C, também há tinha o seu sistema de astrologia. Grécia, Roma, China, Europa e Américas foram, aos poucos, criando o seu próprio sistema de astrologia, até chegar ao sistema moderno.

O horóscopo também é milenar. Segundo a Mundo Estranho, o primeiro registro de horóscopo apareceu no século 7 a.C, quando diferentes civilizações já se dedicavam à observação do céu. Essa análise é tão antiga que há 4 mil anos já existia o signo de Touro, por exemplo — na época, era o primeiro signo do zodíaco.

Quais são os sistemas e os signos da astrologia?

O sistema mais famoso — e que você usa para saber se é Sagitário ou Capricórnio — é o ocidental, mas há outros ao redor do mundo. O ocidental se baseia no zodíaco tropical, em que o início da primavera no Hemisfério Norte é o ponto de partido para o primeiro signo – Áries (de 20 de março a 20 de abril).

Completam o zodíaco tropical: Touro (21 de abril a 20 de maio), Gêmeos (21 de maio a 20 de junho), Câncer (21 de junho a 21 de julho), Leão (22 de julho a 22 de agosto), Virgem (23 de agosto a 22 de setembro), Libra (23 de setembro a 22 de outubro), Escorpião (23 de outubro a 21 de novembro), Sagitário (22 de novembro a 21 de dezembro), Capricórnio (22 de dezembro a 21 de janeiro), Aquário (21 de janeiro a 19 de fevereiro), Peixes (20 de fevereiro a 20 de março)

astrologia

Foto: Istock/Getty Images

Já a astrologia chinesa se baseia em antigos astrônomos chineses, que chamavam os cinco planetas principais por nomes de elementos: Vênus era metal, Júpiter era madeira, Mercúrio era água, Marte era fogo e Saturno era Terra. A posição dos planetas e do sol, da lua e dos cometas correlacionadas ao momento do nascimento determina a personalidade e o destino da pessoa.

A grande diferença do horóscopo chinês é a maneira em que os signos são definidos: também são 12 no total, sendo que cada um representa um animal. São eles: Rato, Boi, Tigre, Coelho, Dragão, Serpente, Cavalo, Cabra, Macaco, Galo, Cão e Porco. O horóscopo chinês se baseia em um período de tempo e cada período de pouco mais de um ano representa um animal. Aqui você pode descobrir qual é o seu signo e seu ascendente.

E o tal Serpentário?

Em 2011, o astrônomo Parke Kunkle, da Universidade de Minnesota, nos Estados Unidos, fez um estudo e alegou que uma mudança na rotação da Terra moveu a posição  que as estrelas são vistas hoje em comparação à época que o Zodíaco foi criado. Ou seja: tudo mudou nesses últimos milhares de anos.

Logo, estaríamos considerando os signos de um céu de 3 mil anos, e caso tivéssemos que considerar o céu atual, existiria um 13º signo — o serpentário. Na verdade, a ideia de Kunkle era desacreditar qualquer horóscopo e a astrologia. Na época, astrólogos disseram que não usam as constelações na classificação de signos.

O que é ascendente e Lua?

Você já deve ter ouvido falar no termo “ascendente”. Essa definição se dá pelo signo que estava surgindo no horizonte no exato momento em que você nasceu — logo, para saber o seu signo ascendente é necessário saber o seu horário de nascimento. A pessoa que tem o ascendente em Touro, por exemplo, herda determinadas características desse signo. Se a pessoa já for do signo Touro, ela terá todas as características do signo de maneira mais acentuada ainda.

Da mesma maneira que existe o ascendente, há também a Lua. A Lua se movimenta e afeta a análise astrológica de cada signo. Segundo os astrólogos, muito de cada pessoa pode ser analisado pelo aspecto da Lua em cada signo.

O que é inferno e paraíso astral?

Segundo a astrologia, todos os signos têm períodos de inferno e paraíso astral. Como o nome diz, inferno astral é o período em que as pessoas estão mais sensíveis a obstáculos e frustrações na vida. Embora haja uma ideia de que o inferno astral é sempre o mês que precede o aniversário, há astrólogos que definem outras datas como o inferno astral. O paraíso astral seria a fase mais propícia a sorte, a alegria e a prosperidade na vida e a data varia de acordo com cada signo.

O que é Mapa Astral? Como eu posso fazer o meu?

O mapa astral é praticamente uma fotografia do céu no momento do nascimento. Essa representação gráfica se baseia em todos os aspectos do nascimento: data, hora e local. É importante saber esses dados com precisão, pois um minuto pode fazer toda a diferença no mapa. Complexo, né? Cada mapa astral é bem diferente do outro — segundo o Viastral, eles só se repetem a cada 26 mil pessoas.

Além de características da personalidade, o mapa astral é capaz de mostrar habilidades, tendências e previsões de maneira mais detalhada. Astrólogos podem fazer mapa astral, mas alguns sites também oferecem o serviço de forma gratuita. Aqui você pode ver alguns sites que contém a ferramenta.

O trânsito planetário, horóscopo e as previsões

Não há como falar de signos e astrologia sem mencionar o horóscopo. Essas previsões diárias, semanais, mensais e anuais são as grandes responsáveis por popularizar a astrologia.

Segundo o site Personare, essas previsões são feitas de acordo com os trânsitos planetários. “Um trânsito de um planeta no céu sobre um planeta ou um outro ponto em nosso Mapa Astral nos mostra um momento em nossas vidas que pode estar começando, se desenrolando, culminando ou finalizando”, diz o site especializado. Há diferentes tipos de trânsitos de planetas: Sol, Lua, Mercúrio e Vênus supostamente alteram o nosso ânimo, enquanto Marte ativa momentos importantes de amadurecimento.

Ainda segundo o Personare, o horóscopo é a “comparação entre a posição dos planetas do Mapa Astral de uma pessoa com o céu do dia analisado, também conhecido como Mapa do Céu”. Essa relação é feita de acordo com o ângulo e a posição de planetas em relação aos signos do zodíaco.

O debate entre ciência e astrologia

A discussão entre ciência e astrologia não é nova. No campo científico, não há evidências suficientes para comprovar que a posição dos astros influencia a personalidade das pessoas. “É fácil cientistas ridicularizarem horóscopos, afirmando que são generalizações óbvias e a fé das pessoas é o que torna isso válido”, diz o The Guardian.

Para descobrir se há qualquer tipo de ciência em astrologia, o Science Explorar responde à algumas perguntas: “não há muitos estudos que investigam a ciência por trás da astrologia, mas os que fizeram falharam em apoiar a validade das visões astrológicas. Por exemplo, um estudo testou a acuracidade de descrições de personalidade de 193 participantes, e os resultados foram consistentes com o acaso. Até agora, não é possível dizer que a astrologia se baseia em evidências científicas”, completa Kelly Tatera, do Science Explorer.

Tatera continua e define: “parece que não há muita evidência científica para apoiar as ideias da astrologia. Até lá, ela continuará sendo uma pseudociência”. E acredita quem quer.

Gostou deste post? Que tal compartilhar:
Últimos
Trend Tags
Array ( [0] => 237 [1] => 205 [2] => 76 [3] => 222 [4] => 12 [5] => 249 [6] => 94 [7] => 97 [8] => 267 [9] => 68 [10] => 115 [11] => 17 [12] => 173 [13] => 175 [14] => 238 [15] => 62 [16] => 92 [17] => 157 [18] => 276 [19] => 153 [20] => 25 [21] => 236 [22] => 125 [23] => 16 [24] => 66 )
Vídeos
Copyright © 2016 Free the Essence