O guia para viajar barato: transporte, hospedagem e aplicativos
viajar
Foto: Istock/Getty Images
Unplug > Inspire-se

O guia para viajar barato: transporte, hospedagem e apps

Camila Luz em 24 de março de 2017

Sair de férias em época de vacas magras é possível. Na era da economia colaborativa, viajar barato ficou mais fácil do que nunca. Aplicativos e sites ajudam você a encontrar transporte, acomodação e até passeios gratuitos ou por preços muito baixos.

Além de explorar os aplicativos da economia colaborativa, investir em uma mudança de conduta é fundamental. O consumismo nos impede de enxergar que é possível construir um estilo de vida mais simples. Gastar menos com coisas materiais pode dar a você a chance de aplicar o dinheiro em experiências que geram felicidade.

O Free The Essence elaborou uma guia sobre como viajar barato através da economia colaborativa e da mudança gradual de atitudes.

Como viajar barato: transporte

1 – Milhas aéreas

Dependendo do destino, o preço do deslocamento é um empecilho. Passagens de ida e voltar para locais distantes, como a Austrália, podem custar alguns milhares de reais se não forem compradas com antecedência. Mesmo dentro do Brasil, encontrar bilhetes aéreos por preços justos pode ser difícil. Quem vive nas regiões sul e sudeste, por exemplo, precisa desembolsar uma boa quantia para ir de avião até o nordeste.

Utilizar milhas aéreas é o principal caminho para comprar passagens baratas ou gratuitas. O escritor estadounidense Chris Guillebeau, dono do blog The Art Of Non-Conformity, explica que há três principais formas de fazer isso: por linhas aéreas, hotéis ou programas de despesas flexíveis (cartões de créditos).

LEIA MAIS
Os 5 destinos mais baratos para viajar
LEIA MAIS
De bicicleta, casal brasileiro viaja ao redor do mundo

Hotéis e linhas aéreas possuem tabelas de prêmios (pacotes de viagens ou passagens) que podem ser trocados por milhas. Geralmente, você se inscreve em um programa de fidelidade e acumula pontos quando se hospeda em um hotel conveniado ou viaja de avião.

No entanto, ao ganhar pontos em determinadas linhas aéreas ou hotéis, você poderá gastá-los apenas com as empresas que contratou. Já cartões de crédito não apresentam esse empecilho, pois os programas de despesas flexíveis permitem gastar os pontos em qualquer destino, sem dependência das tabelas de prêmio.

Além disso, a dica é escolher vários programas de pontos diferentes. Diversifique suas opções para também diversificar suas escolhas. Isso traz mais flexibilidade na hora de montar um roteiro e poderá te salvar quando você precisar fazer uma viagem de emergência, por exemplo.

Por fim, use portais que comparam preços de diferentes empresas de aviação para procurar passagens e comece a pesquisar com antecedência. Em vários deles há opção de configurar alertas relativos aos preços para a data que você procura.

viajar barato

Foto: Istock/Getty Images

2 – Vá de carona

BlaBlaCar é um aplicativo de carona organizada que permite que motoristas com viagens programadas disponibilizem assentos disponíveis no seu carro para possíveis caroneiros.

Quem dá carona divide os custos e determina quanto cada caroneiro deverá pagar. O app é uma boa para quem vai viajar por dentro do Brasil e não tem dinheiro ou milhas para comprar passagens aéreas. Além disso, é uma opção mais rápida e barata do que andar de ônibus.

3 – Alugue um carro

Se você sabe dirigir e não tem carro, alugar um veículo pode ser uma alternativa prática e barata. No entanto, não fique apegado às empresas de aluguel de automóveis, que costumam ser caras e burocráticas. Há várias alternativas.

O Pegcar é um aplicativo que conecta proprietários e locatários. É possível alugar um carro por uma hora ou por períodos mais extensos, de acordo com a disponibilidade determinada pelo dono. Além disso, já vem com seguro incluso.

4 – Conheça suas opções

Infelizmente, o Brasil é um país cujo sistema de transporte público é precário. Mas em outros países a realidade pode ser diferente. Países europeus, por exemplo, oferecem opções como bondes, balsas, muitas linhas de metrô, ônibus eficientes e até bicicletas.

Antes de chegar no destino, pesquise todas as opções disponíveis para não ficar dependente de táxi. Também verifique se aplicativos como Uber e Cabify funcionam na cidade.

Para desbravar as cidades como um nativo, use o aplicativo Metro. Ele funciona como um guia do transporte público de mais de 400 municípios ao redor do mundo. Depois de baixar, o usuário precisa fazer download dos locais que vai visitar.

Como viajar barato: hospedagem

Airbnb

O Airbnb é uma das opções mais famosas hoje, popular entre viajantes de todas as faixas etárias e que procuram diferentes níveis de conforto. A plataforma permite que donos de imóveis ofereçam quartos ou a casa toda para quem precisa de um teto por alguns dias ou semanas.

viajar barato

Foto: Istock/Getty Images

Geralmente, alugar um quarto ou apartamento no Airbnb sai mais barato do que reservar diárias em um hotel. Além disso, há opções para todos os bolsos: imóveis bem localizados, amplos e luxuosos; imóveis bem localizados, mas pequenos; imóveis em locais mais distantes, mas com bastante espaço disponível e preços mais acessíveis e assim por diante.

Para pesquisar uma acomodação, basta entrar no site, colocar o local do destino, as datas de checkin e checkout e o número de hóspedes. A plataforma automaticamente mostra todas as opções disponíveis e o valor de cada uma.

Couchsurfing

No Couchsurfing, donos de imóveis também abrem suas portas para receber turistas. Mas nesse caso, não cobram nada pela hospedagem. Além de não gastar um centavo, o viajante tem a companhia de um nativo, que pode indicar bons passeios e dar dicas sobre a cidade. Porém, é normal que literalmente durma no sofá, como sugere o nome da plataforma.

Hostels

Os hostels finalmente estão se tornando populares no Brasil. Famosos na Europa há décadas, são locais que oferecem acomodações diversas e acessíveis, com quartos e banheiros compartilhados. Geralmente são bem localizados, para que turistas possam aproveitar ao máximo a viagem.

Uma vantagem do hostel é conhecer pessoas de vários locais diferentes. Além dos quartos compartilhados, possuem espaços de convivência e cozinhas comuns para que viajantes troquem experiências. Para agendar uma cama ou um quarto, procure os sites Hostel World e Hostel Bookers.

Home Exchange

Através da plataforma Home Exchange, turistas podem trocar de casas entre si para ter hospedagem de graça. Portanto, se você é de São Paulo, é só escolher a cidade para onde vai viajar e ver quais pessoas se interessam em vir para a capital paulista. Há gente de todos os cantos do mundo, como Itália e Austrália.

Grupos no Facebook

Há grupos no Facebook que funcionam como o Couchsurfing: moradores oferecem suas casas para receber viajantes de graça. No Brasil, o mais famoso é o Coushsurfing CsF, específico para brasileiros. Há também o Couchsurfing das Minas, para mulheres que querem se hospedar de graça em casas de outras mulheres.

Troque trabalho por hospedagem

A startup brasileira Worldpackers conecta pessoas dispostas a trabalhar por um teto a locais dispostos a aceitar a troca. Você pode oferecer as suas habilidades em troca de uma cama em um hostel, por exemplo. Se é bom de fotografia, pode ajudar os donos a tirar boas fotos do estabelecimento. Se sabe surfar, ofereça aulas para os hóspedes. Tudo é negociável. Saiba mais aqui.

Aplicativos para viajar barato que quebram um galho

DogHero

Seus pets precisam ser bem cuidados e alimentados enquanto você viaja, certo? Em vez de deixá-los em um hotelzinho, que geralmente custa caro e mantém o animal em cômodos pequenos, encontre uma casa de família para hospedá-lo usando o DogHero.

O proprietário da casa define o valor da diária de acordo com o espaço disponível e quantos pets pode receber. Geralmente, custa entre R$ 15 e R$ 200.

Para conhecer outros serviços de hospedagem de pets, clique aqui.

Rent a Bag

Se você não viaja com frequência, talvez não valha a pena gastar centenas de reais em uma mala de qualidade para a sua eurotrip. Rent a Bag é um site que oferece o aluguel de “malas de qualidade” para que o usuário economize dinheiro e não mantenha a bagagem encalhada no armário até decidir viajar de novo.

Além das malas, é possível alugar lacres, rastreadores e o “guarda bag”, um serviço e armazenamento de mala para quem precisa economizar espaço em casa. Os preços para aluguel de bagagem variam entre R$ 115 e R$ 155 e dependem do tamanho do item e do período do aluguel.

O Rent a Bag funciona apenas na região da Grande São Paulo. Se você mora em outras cidades do Brasil, use o GetMalas, que funciona em cidades como João Pessoa, Natal e Porto Alegre.

Alooga

O Alooga é um serviço de aluguel de objetos entre usuários. Você poderá encontrar pessoas oferecendo aluguel de câmeras, kits de mergulho, bicicletas, ferramentas e outros itens que julgar necessário. Você poderá alugá-los tanto na sua cidade, quanto no local de destino.

Tem Açúcar?

O aplicativo de consumo colaborativo promove o empréstimo de objetos. Se a grana estiver curta mesmo, basta procurar pelo item que você precisa no site e encontrar um vizinho que o tenha e tope emprestar. Ao viajar para o litoral, por exemplo, alugar cadeiras de praia e guarda-sol de empresas ou ambulantes pode sair caro. Faça uma busca no aplicativo e encontre uma boa alma que possa te emprestar esse kit básico, por exemplo.

EatWith

Com o aplicativo, usuários podem compartilhas refeições com nativos. Os locais cozinham e cobram um valor, que costuma ser mais barato do que restaurantes convencionais.

São mais de 150 cidades presentes e, como outros aplicativos de viagem, funciona de forma fácil: a pessoa escolhe a data e o local da refeição, para depois ver os “menus” que se encaixam. Também é possível filtrar por preço. Depois de escolhido, é só reservar o cardápio e pronto. Além de comer refeições caseiras, o viajante divide a mesa com um nativo e aprende mais sobre sua cultura.

Estilo de vida simples para viajar barato

Para o escritor irlandês Benny Lewis, dono do site Fluent in 3 Months, não é preciso guardar bastante dinheiro para sair viajando pelo mundo. Em primeiro lugar, é preciso aprender a viver barato.

viajar barato

Foto: Istock/Getty Images

Você gasta muito dinheiro em restaurantes caros? Renova o guarda-roupa a cada seis meses? Seus hábitos vão te seguir durante a viagem. Por isso, é preciso revê-los.  Ao economizar somente US$ 10 por mês (aproximadamente R$ 35), é possível pagar um mês inteiro de aluguel em uma cabana em praias da Índia ou Tailândia.

Antes de programar uma viagem mais longa, comece a fazer pequenas mudanças no seu dia a dia. Tente cozinhar mais em casa, gaste menos dinheiro com bens materiais supérfluos e cuide bem do que você já tem para durar mais. Aprenda a viver com menos. Além disso, acostume-se a usar opções de transporte alternativas ao carro ou táxi, como bicicletas ou mesmo o transporte público.

Durante a viagem, será mais fácil viajar com apenas uma mochila, usar o metrô e se hospedar em locais baratos se você já tiver alguma prática. Quem não abre mão de certos confortos terá mais dificuldade para viajar barato e principalmente para se virar quando a grana ficar curta, por isso, repense.

Gostou deste post? Que tal compartilhar:
Últimos
Trend Tags
Array ( [0] => 205 [1] => 76 [2] => 237 [3] => 97 [4] => 222 [5] => 62 [6] => 157 [7] => 276 [8] => 12 [9] => 249 [10] => 86 [11] => 94 [12] => 267 [13] => 68 [14] => 16 [15] => 115 [16] => 186 [17] => 17 [18] => 102 [19] => 173 [20] => 175 [21] => 238 [22] => 92 [23] => 236 [24] => 79 )
Vídeos
Copyright © 2016 Free the Essence